Black Friday: Chegou o dia que o comércio esperava

Ideal é pesquisar preços antes na internet, para não ser enganado efeito de trouxa, diz Gilberto Braga

Por O Dia

Rio - Hoje é quinta, mas o dia mais esperado por muitos é amanhã, a tal Black Friday ou, Sexta-Feira Negra. Trata-se de uma data em que comerciantes prometem vender seus produtos com descontos, podendo chegar até a 90%

A ideia surgiu nos Estados Unidos e se popularizou como data do comércio nos anos 1990. A Black Friday é o primeiro dia após o feriado do Dia da Ação de Graças, comemorado na quarta quinta-feira do mês de novembro. O feriado é de celebração e agradecimento a Deus pelas conquistas do último ano, em que tradicionalmente as famílias norte-americanas se reúnem para comer peru assado.

A sexta-feira é o primeiro dia útil após o feriado e ficou marcada como o dia das maiores liquidações do ano no comércio. Especula-se que é um movimento para limpar estoques e renovar os itens para o Natal, que acontece um mês depois.

O costume de usar o dia da semana associado a expressão “negra” é antigo nos EUA. Na economia, por exemplo, se fala da terça-feira negra, que foi o dia 29 de outubro de 1929, em que a Bolsa de Nova Iorque quebrou. Seu uso não tem, a priori conotação racista. Muitos defendem, inclusive, que é associação “positiva” porque se pode comprar produtos muitos mais baratos. Outros pensam diferente e já houve campanhas para que a data passasse de Black Friday para Big Friday (Grande Sexta-Feira).

No Brasil a data cresce a cada ano, também como dia de grandes liquidações. O problema é que alguns anunciantes a vulgarizam, com campanhas publicitárias como “Black Friday todo dia”, “Black Friday antecipado” ou “Black Friday é hoje”.

Por iniciativas como essas, muitos acreditam que se trata de mais uma jogada de marketing e que as reduções não são nada excepcionais. Se você está na expectativa das promoções da Black Friday no Brasil, um conselho é pesquisar antes os preços na internet e anotar tudo.

Assim, amanhã você pode conferir se a liquidação é para valer ou se é apenas para enganar os trouxas.

Gilberto Braga é professor de Finanças do Ibmec e da Fundação Dom Cabral

Últimas de _legado_Economia