Aposta no turismo religioso movimenta a economia das cidades do Rio

Somente durante o feriado de Corpus Christi, a ABIH-RJ estima que a média geral de ocupação registrada nos destinos do interior fluminense já chega a 78%

Por O Dia

Rio - Da Região dos Lagos à Costa Verde, junho é mês de celebração religiosa. Além de resgatar antigas tradições que se confundem com a formação das cidades, estas festas movimentam centenas de fiéis, fomentando a economia do estado. Somente durante o feriado de Corpus Christi, a ABIH-RJ (Associação Brasileira da Indústria de Hotéis) estima que a média geral de ocupação registrada nos destinos do interior fluminense já chega a 78%. Os municípios que registraram as melhores médias são Nova Friburgo e Vassouras, que estão recebendo eventos religiosos neste fim de semana, além de Paraty.

A aposta no turismo religioso movimenta a economia das cidades. Conhecida pelas belas praias, Cabo Frio oferece um dos roteiros religiosos mais procurados, o ‘Rumo ao Sagrado’, que pode ser feito em três horas, passeando por quatro igrejas históricas tombadas. “Nossos tapetes de sal, em Corpus Christi, são uma tradição e conhecidos em todo o país. E em agosto há a Festa da Padroeira. Pensamos neste turista por causa desses eventos específicos”, contou o prefeito Alair Corrêa.

No próximo dia 13%2C será inaugurado um museu sacro na Igreja de Santa Rita%2C em Paraty%2C construída em 1722Divulgação

Repleta de igrejas históricas, Paraty é um dos municípios que também investem neste segmento turístico, aproveitando o potencial da região. No próximo dia 13, será inaugurado um museu sacro na Igreja de Santa Rita, datada de 1722, que sofreu uma grande reforma. Em novembro, a prefeitura pretende realizar a mesma ação na Igreja de São Benedito. “Temos diversas datas religiosas que vão estimular este tipo de turismo, que é grande mas pode se tornar maior”, afirma o prefeito Carlos José Gama Miranda, o Casé.

IGREJA HISTÓRICA

Em Cantagalo, a Igreja Matriz será elevada hoje oficialmente à categoria de Santuário Diocesano da Adoração ao Santíssimo Sacramento. O templo do padroeiro da cidade, inaugurado em 1878 pelo imperador Dom Pedro II, se tornou um dos pontos turísticos mais visitados. Uma missa com o bispo da Diocese de Nova Friburgo, Dom Edney Gouvêa Mattoso, seguida de procissão, vai celebrar o fato histórico.

O turismo também é alternativa importante para municípios carentes de alternativas econômicas, como Bom Jesus do Itabapoana, no Noroeste Fluminese. Na semana passada, mais de 100 pessoas participaram da Segunda Caravana de Agroturismo Religioso ao Santuário de Nossa Senhora Aparecida e conheceram propriedades de produtos orgânicos. “Os produtores ficaram satisfeitos. Eles se uniram em nome do projeto, que movimenta nossa economia”, disse o vice-prefeito Jarbas Borges. O próximo passeio será dia 5 de julho.


Carmo será a ‘Jerusalém Fluminense’

O mesmo fenômeno se repete por todo o Brasil, que é considerado o país com o maior número de católicos do mundo. De acordo com o Ministério do Turismo, estima-se que 15 milhões de brasileiros se movimentem todo ano, movidos pela fé. Além disso, o turismo religioso cresce 12% por ano. De acordo com o estudo, os grandes templos espalhados pelo país são em parte responsáveis por essa movimentação tão grande de pessoas.

De olho neste crescimento, o município de Carmo, na Região Serrana, está com planos de construir a ‘Jerusalém Fluminense’. De acordo com a prefeitura, a proposta é construir uma cidade cenográfica, ampliando a demanda turística. “Poderá contribuir muito para o desenvolvimento da região, potencializando a agenda turística e fomentando a economia”, explica o secretário estadual de Turismo, Nilo Sergio Félix.

Reportagem de Lucas Gayoso

Últimas de _legado_O Dia no Estado