Presidente chinês ganha poder 'quase vitalício'

Xi Jinping é confirmado no cargo por pelo menos mais cinco anos, mas nova composição do Comitê Central sugere que líder pode ficar indefinidamente

Por O Dia

Xi acena durante o 19º Congresso do Partido Comunista Chinês
Xi acena durante o 19º Congresso do Partido Comunista Chinês - AFP/WANG ZHAO

O presidente chinês Xi Jinping obteve ontem novo mandato à frente do Partido Comunista da China (PCC), cercado por uma equipe sem um suposto sucessor, o que faz dele o dirigente mais poderoso do país em 40 anos, com possibilidades de permanecer no poder por tempo indeterminado. O Comitê Central, em sua primeira reunião, elegeu Xi Jinping como secretário-geral do partido e presidente da Comissão Militar Central, o organismo que controla as Forças Armadas.

Xi, de 64 anos, líder do PCC desde o fim de 2012, permanecerá por mais cinco anos como secretário-geral, o cargo supremo na pirâmide de poder da China. Os delegados do 19º Congresso do PCC aprovaram na terça-feira por unanimidade a inclusão nos estatutos do partido do "pensamento de Xi Jinping sobre o socialismo com características chinesas para a nova era".

Todos os novos integrantes do 'núcleo duro' têm mais de 60 anos, indício de que nenhum deles sucederá Xi Jinping no próximo congresso, em 2022. Os novos membros provavelmente terão menos influência que seus antecessores, depois que Xi foi enaltecido na terça-feira a um nível similar ao de Mao Tsé-Tung. Xi se tornou o primeiro dirigente chinês desde Mao (1893-1976), que governou a China de 1949 até sua morte, a ver seu nome incluído nos estatutos quando ainda está no poder. O nome de Deng Xiaoping, que sucedeu Mao no poder e estimulou nos anos 1980 as reformas que transformaram a China na segunda potência econômica mundial, foi incluído nos estatutos depois de sua morte, em 1997.

Momento raro

Antes do anúncio, Willy Lam, professor de Política da Universidade Chinesa de Hong Kong, explicou que o status confere a Xi uma autoridade extraordinária. "Terá um status similar ao de Grande Timoneiro, que era o de Mao", completou Lam. "Isto permitiria ser como Mao, líder por toda a vida, enquanto conservar a saúde", disse o acadêmico. "A tradição na China estipula que o imperador é ao mesmo tempo o professor, o inspirador. Xi chega a sê-lo antes de terminar seu primeiro mandato. É raro na nossa história", afirma o cientista político chinês Hu Xingdu. Entretanto, "não é fácil comparar" Mao a Xi, lembra Xie Chuntao, diretor de História da Escola Central do Partido. "Os que conhecem o PCC e a China vêm muito claramente o papel que o secretário-geral Xi Jinping teve nos últimos cinco anos. Ele teve o apoio, o amor e o respeito sincero de todo o Partido e do conjunto dos chineses", assegura.

Os novos membros do Comitê Central são Li Zhanshu, amigo de Xi de 67 anos, o vice-primeiro-ministro Wang Yang, de 62 anos, o importante teórico do partido Wang Huning, também de 62 anos, o diretor de organização departamental Zhao Leji, 60 anos, e o líder do partido em Xangai, Han Zheng, de 63 anos.

Comentários

Últimas de Mundo & Ciência