SEM RECURSOS, ESCOLAS DA SÉRIE A CORREM CONTRA O TEMPO PARA DESFILAR

Prefeito promete R$ 10 milhões para grupos de acesso, mirins e blocos dia 15

Por O Dia

Trabalhador prepara fantasias e alegoria no Império da Tijuca
Trabalhador prepara fantasias e alegoria no Império da Tijuca - Luciano Belford / Agencia O Dia

Faltando pouco mais de um mês para os desfiles na Marquês de Sapucaí, as escolas de samba da Série A ainda não sabem como irão fazer para honrar os compromissos com fornecedores e trabalhadores devido ao impasse com a Prefeitura do Rio. Os representantes das escolas se reuniram ontem pela manhã com o prefeito Marcelo Crivella a fim de encontrar uma solução para o impasse. Devido ao atraso na subvenção, algumas agremiações estão com os ateliês atrasados, com o risco de desfilar com fantasias e alegorias incompletas. A indefinição também afeta as escolas que desfilam na Estrada Intendente Magalhães.

Após a reunião, que durou uma hora e meia, ficou definido que a prefeitura realizará o pagamento no próximo dia 15. O acordo prevê o repasse de R$ 10,3 milhões para as escolas de samba dos grupos de acesso, mirins e a Federação dos Blocos. O prefeito também anunciou a isenção de repasse à prefeitura por parte das escolas de 8% do valor arrecadado com a venda de ingressos para os desfiles na Sapucaí. O município estima que a isenção gere uma economia de R$ 200 mil às agremiações.

Recém promovida à Série A, a Unidos de Bangu pretende driblar a crise financeira para buscar o acesso ao Grupo Especial. O presidente da escola, Marcelo Mattos, o "Marcelo do Rap", afirmou que a agremiação não conseguiria preparar o desfile caso esperasse pela subvenção municipal. "A situação é catastrófica. Prevejo que algumas escolas irão entrar na avenida totalmente incompletas. Não será o caso da Unidos de Bangu porque nos programamos com antecedência", explicou Mattos, que prometeu concluir os trabalhos no barracão até 15 dias antes do desfile.

Diante da crise financeira e de uma dívida de R$ 1,5 milhão com fornecedores e funcionários, o presidente da Império da Tijuca, Antônio Teles, o "Tê", lançou uma vaquinha virtual (informações no site www.imperiodatijuca.com.br) para angariar fundos para concluir os trabalhos no barracão. Batizada de "Paixão Imperial", a campanha também coleta materiais para concluir das fantasias e alegorias. O carnavalesco Jorge Caribé demonstrou otimismo e revelou que conseguiu obter materiais com escolas do Grupo Especial.

Comentários

Últimas de Rio De Janeiro