Agentes vão poder invadir imóvel vazio contra aedes

Ação está prevista em medidad provisória aprovada ontem pela Câmara. Texto prevê que doações a programas de combate ao mosquito sejam deduzidas no IR

Por O Dia

O relator da medida provisória foi o deputado Newton Cardoso JúniorDivulgação

Brasília - Na primeira votação da Câmara dos Deputados desde que Michel Temer assumiu interinamente a Presidência da República, os parlamentares aprovaram nesta quarta-feira medida provisória que autoriza o ingresso forçado de agentes de combate a endemias em imóveis abandonados para a execução de ações de combate ao aedes aegypti - transmissor da dengue, da febre chikungunya e do zika vírus.

A medida havia sido editada em fevereiro pela presidente Dilma Rousseff. 

O texto do relator Newton Cardoso Jr (PMDB-MG) prevê a criação do Programa Nacional de Apoio ao Combate às Doenças Transmitidas pelo Aedes (Pronaedes) para financiar projetos com recursos de doações dedutíveis do Imposto de Renda.

Microcefalia

Boletim divulgado nesta quarta-feira pelo Ministério da Saúde aponta que o número de casos confirmados de microcefalia no Brasil chegou a 1.384. Dos casos confirmados de microcefalia, 207 tiveram teste positivo para o vírus da zika.

Ao todo, foram 7.534 notificações desde o início das investigações, em 22 de outubro, até 14 de maio. Segundo a pasta, 2.818 casos foram descartados e outros 3.332 casos ainda estão sendo investigados.

Últimas de Brasil