Coluna Esplanada: Dilma vai deixar o PT

Ela irá dedicar sua agenda livre a causas nacionais e internacionais associadas a movimentos feministas e de combate à pobreza

Por O Dia

Brasília - Depois das últimas trocas de farpas com a cúpula do PT, a presidente afastada Dilma Rousseff está determinada a deixar a legenda assim que o Senado selar a aprovação do impeachment, que se inicia hoje. Inelegível por oito anos, a futura ex-petista irá dedicar sua agenda livre a causas nacionais e internacionais associadas a movimentos feministas e de combate à pobreza. Procura patrocinadores desde já.

Poliana

“Vamos virar esse jogo”, tem repetido Dilma aos aliados. Não acreditam que ela fale da votação no Senado.

Pá na mão

O Governo vai tocar obras inacabadas. Já empenhou R$ 1,8 bilhão. As obras de até R$ 10 milhões serão imediatas. Se Temer ficar, as acima disso e até R$ 100 mi até 2018.

Calma, doutor

“Os advogados da presidente criminosa precisam ter respeito com quem não concorda com eles”, soltou o irritado senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES).

Governo x MST

O ministro da Defesa, Raul Jungman (PPS-PE), e o chefe do GSI, general Sérgio Etchegoyen, criaram força-tarefa para monitorar ações do MST e movimentos contrários ao Governo de Michel Temer. O objetivo da força – que contará com suporte de polícias estaduais – é evitar o fechamento de rodovias.

Cercas fincadas

Pelo visto, não surtiu efeito a tentativa de Michel Temer de se aproximar dos movimentos rurais. Ele e José Rainha tiveram um encontro no Planalto logo no início do Governo provisório.

É comigo ?

O deputado Carlos Marun (PMDB-MS) simboliza a imagem da tropa de choque do deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Alvo de manifestações na chapelaria da Câmara, fez questão de circular entre a trupe anti-impeachment sob gritos de “golpista”. 

Na berlinda

A cúpula do PSC acompanha à distância o escândalo que pode complicar a vida do deputado Marco Feliciano (SP), denunciado por agressão, assédio e tentativa de estupro. A ordem na legenda é aguardar os próximos capítulos para tomar providências.

Prova do Silêncio

A presidente nacional do Movimento de Mulheres do PSC, Denise Assumpção, atuante em comentários e entrevistas sobre a defesa da família, continua num silêncio ensurdecedor sobre a denúncia contra o deputado Marco Feliciano. Detalhe, Patrícia Lélis, que o acusa, entregou também a Denise as evidências de provas.

O 95

Embora atuante em debates polêmicos e bastante criticado por setores liberais da sociedade na Câmara, o deputado-pastor Feliciano tem modesta representação dentro do PSC. Ocupa a nonagésima quinta posição de “membro efetivo” do partido.

Apreensão

É evidente o climão dentro do PSC. O presidente, o ex-candidato ao Planalto Pr Everaldo, não descarta expulsar Feliciano se o cenário piorar. Aliás, a jornalista Patrícia Lélis também citou Everaldo no B.O. sob tentativa de comprar seu silêncio.

Infeliciano

Que golpe do destino. As acusações de agressão a mulher contra o Pr. Feliciano surgem no ano em que a Lei Maria da Penha completa 10 anos.

Vale ressaltar

Desde o início a Coluna tem reportado as versões de todos os envolvidos. Da mulher a Feliciano, passando pelo chefe de gabinete e pelos acusados de sequestro.

Ponto Final

“O que define um homem é o que ele tem entre as pernas”

Do deputado Marco Feliciano, em recente entrevista a um canal do Youtube. Deu no que deu..

Coluna de Leandro Mazzini

Últimas de Brasil