Wladimir Costa tem acusações mais fortes que a tatuagem de Temer

Deputado parece só folclórico, mas processos mostram que ele é bem mais que isso

Por O Dia

Rio - Mais novo astro da política brasileira, depois de ter tatuado o nome do presidente Temer no ombro direito, o deputado Wladimir Costa (SDD-PA) sempre misturou tribuna e palco em sua trajetória política. Autodenominado ‘federal do povão’, o parlamentar, que está em seu quarto mandato na Câmara, garante holofotes menos com sua atuação parlamentar — é dos mais faltosos — e mais com declarações e atitudes estudadamente amalucadas. Dos vários processos — por crime eleitoral, injúria, ameaça, peculato... — ele tem conseguido escapar, por enquanto.

Na noite da votação do impeachment de Dilma%2C quando soltou confetes no plenário%2C o país tomou conhecimento do deputado Wladimir Costa (SDD-PA)Dida Sampaio/AE

Desde quinta-feira, Wlad, como é conhecido, está onde seu estilo agressivo pode lhe garantir votos: o interior do Pará, segundo confirmou sua assessoria. Ali, em estado de permanente campanha, ele percorre rios e visita comunidades de pequeno e médio portes onde é visto por alguns setores como uma espécie de ‘amigo do povo’, reputação conquistada com intervenções transmitidas por rádio pelas distâncias amazônicas do Pará onde vocifera contra os inimigos com palavras equivalentes a que dedicou ao deputado Sérgio Zveiter (PMDB-RJ) durante sessão da Comissão de Constituição e Justiça: ‘burro’, ‘incompetente’ e ‘desqualificado’.

O estilo inconsequente do deputado, no entanto, está sempre a ponto de lhe causar problemas. Na quinta-feira, foi publicada decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux, que pede o ‘saneamento’ de um processo a que ele responde pelo crime de ameaça (Art. 147), passível de um a seis meses de prisão. Em 20 de setembro de 2012, ele teria ligado para a casa de Terezinha Ribeiro Nascimento, que havia reclamado com ele por, supostamente, ter envolvido seu filho, Adelson Ribeiro de Assunção, em atividades de uma ONG sob suspeita. Falando com o filho dela, ele disse: “Olha, viado, vou te avisar uma coisa: eu fiz e faço e vou meter bala na casa dela”.

“A atuação dele é exatamente assim”, diz um jornalista paraense. “Ele ameaça e chantageia sem o menor constrangimento, usando as palavras mais chulas”.
Para mandar suas mensagens, Wlad entra no ar, usando uma rede de rádios comunitárias — que, segundo a lei, não poderiam ter fins comerciais, nem políticos. Como essas emissoras não estão em seu nome, não se sabe o número exato delas, mas alcançam grande parte do Pará.

Diante dos ataques raivosos transmitidos pelo rádio, um episódio que Wlad protagonizou, após um jantar em que Temer esteve presente na terça-feira, parece até pequeno — mas não é. Na saída do encontro, ao ser perguntado pela repórter Basília Rodrigues, da rádio CBN, se a famosa tatuagem em homenagem ao presidente era definitiva ou de henna e se o deputado poderia mostrar a imagem, o parlamentar disse: “Pra você, só se for o corpo inteiro”. Com isso, o deputado poderá vir a incluir em seu currículo um processo por assédio sexual.

AMIGO DE TEMER TEM VASTA COLEÇÃO DE PROCESSOS JUDICIAIS

Em uma das ações, ele é acusado de se apropriar de salários de assessores

O mandato de Wladimir Costa foi cassado pelo TRE do Pará. Ele exerce o mandato porque recorreu ao TSE. A decisão do tribunal paraense foi proferida, em julho do ano passado, com o voto unânime dos seis magistrados.

Um momento com o ídoloReprodução

A corte eleitoral o acusa de ter recebido dinheiro “oriundo de fontes não declaradas” para a campanha à Câmara dos Deputados, em 2014. Ele também teria omitido da Justiça Eleitoral o montante de R$ 410.800 de sua declaração de valores. O caso de peculato também pode estar próximo de um desfecho.

Ele é investigado desde 2010, ao lado do irmão, Wlaudecir Rabelo, sob a acusação de ter ficado com dinheiro que teria como destino inicial servidores fantasmas.  No fim do mês passado, a Procuradoria-Geral da República reafirmou a convicção de que ele é culpado.

A tatuagem%3A provavelmente de hennaReprodução


Na manifestação, o procurador Rodrigo Janot destaca que Costa recebeu "reiterados depósitos em espécie que totalizaram a quantia de R$ 265 mil, entre abril/2003 a março/2005, enquanto que, nesse mesmo período, o total de rendas líquidas auferidas por seus três assessores atingiram o montante de R$ 210 mil" e que "chama atenção também a coincidência entre os valores sacados em espécie pelos assessores no período investigado (R$ 213,5 mil) e os valores depositados em espécie na conta do deputado". O deputado nega e promete “sepultar a carreira política” caso seja culpado.

O empresário Jader Barbalho Filho, da tradicional família política paraense, também processa o deputado e antigo correligionário por calúnia e difamação. Entre outras ofensas, ele se referiu ao empresário como ‘vagabundo’, ‘desgraçado’, ‘ladrão’ e ‘cara horroroso’.

Também há um inquérito no Supremo (3010), no qual o deputado é investigado desde 2010 por iniciativa do Ministério Público do Pará e que corre em segredo de Justiça para proteger algumas das partes envolvidas. O processo está pronto para uma decisão do relator, o ministro Dias Toffoli.

Canoagem fantasma

'Nudes' no CongressoReprodução

A “paixão” de Costa pelo presidente Temer teve um combustível extra antes da votação da denúncia na Câmara: a liberação de emendas. Os valores somaram R$ 7 milhões (R$ 4,8 milhões para a ação de apoio ao desenvolvimento sustentável de territórios rurais e R$ 1,8 milhão estruturação de unidade de atenção especializada).

Nada mal para quem foi acusado pelo Ministério Público do Pará MPPA) de realizar um projeto de aulas de canoagem fantasmas numa paradisíaca praia em Barcarena (PA), município próximo a Belém (PA).

Segundo a denúncia, em 2012, a ONG Instituto Nossa Senhora de Nazaré recebeu R$ 230 mil, da Secretaria de Estado de Esporte e Lazer para desenvolver o projeto. Segundo o MPPA, não houve nenhuma aula. Empresas teria fornecido notas fiscais frias para justificar as supostas.

“Wladimir Costa era o 'Líder' do esquema, o mesmo idealizou toda a operação, controlando as atividades dos executores diretos. Isto caracteriza prática de improbidade", disse o promotor Daniel Azevedo.

Cantor de brega e radialista

Wladimir Costa começou a vida como vendedor d pasta de dentes no mercado Ver-O-Peso, no Centro de Belém.

Na década de 1980, ele iniciou a carreira de radialista, mas foi no início dos anos 1990, segundo contam jornalistas do Pará, que ele assumiu o personagem de 'defensor do povo'.

Também nessa época ele se lançou como cantor de brega e outros estilos regionais paraenses. Em grandes festas, especialmente nos ‘Aniversários do Wlad’, ele levava a sua ‘aparelhagem’ (equipes de som) e distribuía milhares de espetinhos. Eventos nesse estilo são realizados até hoje. No início dos anos 2000, Wlad passou para a TV, na emissora da família Barbalho, e virou líder de audiência. Elegeu-se deputado federal em 2002 no mesmo partido dos Barbalho (PMDB), como o segundo mais votado do estado.

Ele já havia ganhado fama como recordista de faltas no Congresso, antes de ter soltado confetes no plenário durante a votação do impeachment. E, claro, de ter pedido ‘nudes’ a uma moça paraense durante a votação da denúncia contra Temer, na semana passada.

Últimas de Brasil