Ministro defende Reforma da Previdência ainda em 2017

Dyogo Oliveira, do Planejamento, acredita que em 2018 não será possível aprovar mudanças nas aposentadorias

Por O Dia

Brasília - O ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, admitiu que, se a reforma da Previdência não for aprovada este ano, não haverá "nenhuma" possibilidade política de passar em 2018. Em audiência no Tribunal de Conta da União (TCU), Oliveira disse que há uma janela de "pauta" da reforma da Previdência este ano, depois da votação da segunda denúncia contra o presidente Michel Temer.

Ministro afirmou que não haverá possibilidade de aprovar reforma ano que vemFabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Ele defendeu a aprovação da reforma sem Plano B. Ou seja, sem a redução do alcance das mudanças nas regras da Previdências no texto que tramita na Câmara. "Desejamos que seja aprovado o máximo possível", avaliou.

O ministro disse que o governo está disposto a enfrentar o debate, apesar da proximidade das eleições, e tem conversado com os líderes no Congresso. "A Previdência está consumindo todo o Orçamento. Quanto antes fizermos, mais suave será fazer antes", avaliou. Na sua avaliação, deixar a aprovação da reforma para depois levará à explosão da "barragem".

"Não terá mais jeito. Será a reforma dura de verdade", disse o ministro. Ele reconheceu que o espaço político é pequeno para a aprovação. "Em muitos lugares a preocupação sobre eleição é elevada. Mas o governo não tem pretensão de reeleição", afirmou

Segundo ele, a agenda continuará concentrada em fazer a reforma que o País precisa. "Não existe crescimento sem equilíbrio econômico. Um Estado quebrado não é ambiente para o crescimento econômico", avaliou. Oliveira acrescentou ainda que não tem economia em governos de direita ou esquerda que deu certo com contas quebradas.

Últimas de Brasil