Batismo roqueiro no palco das grandes estrelas

Kiara Rocks, única novidade brasileira a passar pelo Palco Mundo do Rock in Rio, abre hoje, sem medo, a segunda noite dedicada ao heavy metal no festival

Por O Dia

Rio - Quando um artista novo surge no Palco Mundo do Rock in Rio, precisa preparar um grande show ainda que possa contar com vaias e incompreensões gerais. Ligados ao hard rock no som e no visual (com direito a tatuagens, botas, bandanas e olhos pintados), os paulistanos do Kiara Rocks ganham seu batismo no festival hoje, abrindo o segundo dia do heavy metal — antes dos monolitos metálicos Slayer e Iron Maiden, e do Avenged Sevenfold.

“Esperamos que o público do heavy metal curta o show. Ou que ao menos respeite”, torce o baterista Marcos Grevy. Ele divide a banda com Cadu Pellegrini (voz, guitarra), Anselmo Fávaro (guitarra solo), Phil Bonaño (guitarra) e Juninho (baixo). “Já tivemos aversão a bandas novas, especialmente às que cantam em português. É fácil criticar sem conhecer. Mas estamos confiantes”, completa.

Juninho (E)%2C Marcos%2C Cadu%2C Phil e AnselmoDivulgação



O Kiara lança o terceiro CD, ‘Daqui Por Diante’. Cadu, o vocalista, volta à função de produtor — ocupada no álbum ‘Todos Os Meus Passos’ (2012) por Matt Sorum, baterista que já tocou no Guns N’ Roses, banda com a qual o Kiara costuma ser comparado — em especial no caso do cantor Cadu.

“Acreditamos que nos comparem ao Guns pela atitude no palco, que não se vê em bandas novas”, diz o batera. “Axl Rose é influência minha, mas queria que me comparassem só pela atitude, não pelo físico ou pela voz”, brinca Cadu. O álbum anterior teve também participações de Sebastian Bach e Tracii Guns (guitarra, também um ex-Guns N’ Roses).

O som pesado feito no Brasil em português ainda é incomum. Mas o Kiara prefere ser entendido pelos brasileiros. “Ainda existe aversão a esse som por aqui, mas queremos fazer assim”, diz o músico, que releu com os amigos no disco uma música em inglês de Herbert Vianna (‘Mr. Scarecrow’) e um hit do Duran Duran (‘Save a Prayer’). “Fazemos o que gostamos e muita gente se identifica com nosso som”, festeja Cadu.

O grupo prepara o show do Rock in Rio há meses. “Fazemos muitos shows, o que nos incentivou a manter tudo funcionando”, relata Grevy. “Não há lugar melhor para nos prepararmos para o festival do que a estrada”.

Últimas de Diversão