Daniela Mercury vai do samba ao iê iê iê em disco dedicado à companheira

De olho na Copa de 2014 que vai parar o Brasil, a cantora apresenta dois sambas sobre futebol em seu novo disco

Por O Dia

Em 1992 e 1993, a voz de Daniela Mercury era o canto da cidade e do Brasil. Decorridos 20 anos, a voz da cantora baiana representa o canto da diversidade. Termo que, no CD gravado pela artista com o grupo baiano Cabeça de Nós Todos, adquire duplo sentido. A diversidade vem tanto do repertório — no qual Daniela dá voz a sambas de diversas cadências entre um iê iê iê pop romântico (‘Sei lá’) — quanto ao fato de o disco ser dedicado pela já assumida cantora à sua esposa, Malu Verçosa.

De olho na Copa de 2014 que vai parar o Brasil, a cantora apresenta dois sambas sobre futebol no disco editado pela gravadora Eldorado. ‘Cheia de graça’ dilui o balanço de Jorge Ben Jor e Cia. ao discorrer sobre a bola que rola nos gramados. Já ‘Neguinho maravilha’ traça o perfil de garoto que vai do morro aos campos mais nobres do esporte. À medida que o samba avança, o ritmo acelera no passo vertiginoso dos passes rápidos.

Daniela Mercury lança disco gravado com grupo Cabeça de Nós TodosDivulgação

Para quem gosta de axé music, a grande faixa do disco é o samba de roda ‘Vai ser como o rei mandar’. O balé de Daniela fica mais mulato nesta faixa que celebra o samba da Bahia. Captada ao vivo, ‘Couchê’ também empolga com suas referências ao ‘semba’ de Angola. Já a regravação de ‘Aquele abraço’ traz o samba lança do por Gilberto Gil em 1969 para o mundo do samba-reggae. Outra regravação, ‘Paula e Bebeto’, bate na tecla da diversidade afetiva. Para Daniela, qualquer maneira de amor valerá.

Últimas de Diversão