Hananza lança CD solo e novo show

Vocalista do bloco Empolga Às 9 já foi apresentadora de TV e atriz de musicais

Por O Dia

A cantora%2C que já foi apresentadora%2C lança%2C no dia 6 de agosto%2C o CD ‘Bem-Vindo ao Mundo Daqui’%2C no Solar de Botafogo Divulgação

Rio - Hananza (aliás, Natália Hananza Martins de Andrade, 32 anos) é muito extrovertida. A cantora, que já foi apresentadora do Canal Futura e atuou com teatro musical por vários anos, lança, no dia 6 de agosto, o CD ‘Bem-Vindo ao Mundo Daqui’, no Solar de Botafogo, sua estreia como solista. O pontapé inicial nos palcos foi dado de maneira mágica, há uns 12 anos, quando soltava a voz entre amigos.

“Eu morava com meus pais, nem fazia faculdade ainda e não cantava profissionalmente. Um dia, fiz Encontro de Jovens com Cristo e cantava nas reuniões. Uma produtora me viu e falou: ‘Menina, você tem que fazer o teste para o musical ‘Raul Fora da Lei’. Era um musical roteirizado e protagonizado pelo (ator) Roberto Bomtempo, sobre Raul Seixas”, conta Hananza, que apesar do milagre que vem a seguir, deixou de ser católica e hoje é umbandista. “Só que tinha uma oficina que os atores precisavam fazer, que custava R$ 600. A produtora, que foi um anjo na minha vida, me deu um cheque de R$ 600 e disse: ‘Toma, é teu. Não quero nem ver essa grana de volta! Você tem talento, estou investindo nisso’”, lembra, rindo, agradecida. “Minha mãe ficou chocada e falou: ‘Vai devolver’. Mas eu acabei fazendo a peça, fiz aula de canto e não parei mais de trabalhar.”

Além da carreira solo, ela é vocalista do bloco Empolga Às 9. E tanbém já passou por um trio com outras amigas, o Mãe Joana. Hananza vem se arriscando também em shows fora do país. Em 2012, foi para a França. Na época, ela lembra, não sabia falar francês e mal arranhava inglês.

“Às vezes, eu falava várias palavras erradas no palco, ‘abajur’, ‘sutiã’, só para todo mundo rir. A comunicação se dava mais pela música mesmo”, diverte-se ela, lembrando que foi uma criança introvertida. “Acho que o mundo me mudou. Já vi amigos antigos meus dizendo: ‘Hananza, não acredito que você virou cantora!’ Eu fui uma criança muito tímida.”

Entre soul e jazz, o material do disco tem várias músicas autorais, como ‘Quem Sabe Eu Me Levante Rei?”, ‘Opaco’, ‘Ser Sensível’, ‘De Bailarina A Astronauta’, ‘Vinho e Jazz’. O disco ainda tem participação de Max Viana, filho de Djavan, em ‘Aval’ — e uma regravação do próprio Djavan em ‘Nuvem Negra’. Outra autoral, ‘Menincie’, que fala sobre relacionamentos abusivos, já ganhou clipe com participação da escritora Thalita Rebouças e dos atores Bia Arantes e Cirillo Luna.

“Passei por uma relação parecida. Alguns amigos me chamaram a atenção, mas só depois que eu já tinha terminado. Preferi falar disso com a minha música. Ninguém merece passar por situações abusivas”, recorda ela, hoje solteira. “Quero continuar assim por um bom tempo”, brinca Hananza.

Últimas de Diversão