Rainer Cadete vai viver procurador em filme que conta os bastidores da Lava-Jato

Ator se inspirou no procurador Deltan Dallagnol, responsável pela Lava Jato, para fazer o longa ‘Polícia Federal - A Lei É Para Todos’. “Não tenho obrigação de imitá-lo”, diz

Por O Dia

Rainer Cadete%3A “O Brasil acordou e quer fazer justiça%2C acabar com certos privilégios e colocar a democracia para funcionar para nossos filhos e para nós mesmos”Divulgação

Rio - Corrupção, delação premiada e habeas corpus são só algumas palavras que se tornaram frequentes no noticiário e na vida do brasileiro nos últimos anos. O ator Rainer Cadete acompanhava os temas políticos com curiosidade, mas passou a ficar mais atento quando foi convidado para viver um promotor de Justiça no filme ‘Polícia Federal: A Lei É Para Todos’, que contará os bastidores da Operação Lava Jato.

“Acho que a Lava Jato é muito importante para termos um país melhor. O Brasil acordou e quer fazer justiça, acabar com certos privilégios e colocar a democracia para funcionar para nossos filhos e para nós mesmos”, frisa Rainer, que é pai de Pietro, de 9 anos. “Espero que todo mundo que tenha feito algo ilegal seja punido. Sou cidadão que paga impostos e quero que isso seja justificado”, completa.

DESCRENTE NA POLÍTICA

Nascido na cidade-satélite de Samambaia, no Distrito Federal, Cadete teve a política bem perto de si. “Mas confesso que estava meio desacreditado. Esse movimento novo pode trazer credibilidade à política para não ficarmos votando nulo, para termos opções boas para votar e nada de ‘o menos pior toma o poder’. Precisamos ter boas opções. Sinto que precisamos restabelecer a credibilidade no país”, afirma.

INSPIRADO EM DELTAN

No longa de Marcelo Antunez, com roteiro de Thomas Stravos e Gustavo Lipsztein, Rainer interpretará Ítalo, um procurador da República e coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato. “Me inspiro no Deltan Dallagnol, responsável pela operação, mas não tenho obrigação de imitá-lo ao pé da letra. É preciso lembrar que estamos construindo uma dramaturgia que faça sentido, contar a história que use elementos inspirados em fatos reais, mas sem esquecer que é ficção. Não estou pretendendo imitar o Deltan, mas me inspirar livremente. Dá mais liberdade artístistica”, explica o ator, que roda o filme até janeiro de 2017.

COMPOSIÇÃO DO PERSONAGEM

Para interpretar o procurador, Cadete assistiu a todos os vídeos de Dallagnol disponíveis na internet, está na metade de um livro sobre a operação e ainda teve um encontro com sua fonte inspiradora. “Conversei bastante com o Deltan e o achei muito inteligente, com um forte senso de ética, extremamente comprometido com seu trabalho, preparado e otimista. Além disso tudo, ele tem o dom da oratória. É impressionante como ele usa as palavras de uma forma que a gente entende, até quase didática. Tem muitas siglas, nomes diferentes, e ele fala daquilo com propriedade, e você acredita que o Brasil tenha solução. Ele fala muito das 10 medidas contra a corrupção. Eu concordo, porque eu acredito que, mudando o sistema, contruiremos um país melhor”, destaca.

REEDITANDO PARCERIA

No elenco do longa estão Ary Fontoura como um ex-presidente, Rodrigo Lombardi como um juiz e Antonio Calloni e Flávia Alessandra como delegados da Polícia Federal.Rainer Cadete comemora a volta da parceria com Flávia, com quem contracenou em ‘Êta Mundo Bom!’ — foram irmãosna trama das 18h da Globo. “A gente discutia sobre política nos bastidores da novela. Pensamos parecido porque gostamos de ouvir todos os pontos de vista e de discutir livremente sem pedra na mão ou fanatismo. Na maioria das cenas, estamos juntos. É muito bom trabalhar com alguém com quem já tenha algo desenvolvido”.

PÉ DE VALSA NA ‘DANÇA DOS FAMOSOS’

Parelalemente às filmagens do longa-metragem, Rainer encontra tempo para competir no quadro ‘Dança dos Famosos’, do ‘Domingão do Faustão’, da Globo. Ao lado da bailarina Juliana Valcézia (na foto abaixo), o ator de 29 anos avançou mais uma etapa do concurso com o ritmo country e se prepara para o desafio da valsa no próximo domingo. Qual o ritmo mais difícil? “O atual é sempre mais difícil. Mas sempre foi meu sonho fazer esse quadro. Meus hábitos estão mais saudáveis, minha barriga está tanquinho, emagreci sete quilos. Fazemos trabalho de força, elasticidade, trabalhamos a mente, os limites. Indico para todo mundo. Continuaria a fazer dança. Estou apaixonado e quero fazer musicais”, planeja.