Limite para compra de imóvel pelo SFH pode subir para R$ 1,5 milhão

Proposta em discussão sugere que patamar para uso de recursos do FGTS seja de R$ 1 milhão

Por O Dia

Brasília - O limite do valor dos imóveis financiados pelo Sistema Financeiro da Habitação (SFH) poderá subir de R$750 mil para R$ 1 milhão e R$ 1,5 milhão. Segundo a agência Estadão Conteúdo, a questão é negociada por bancos e por empresários do setor imobiliário com representantes do Banco Central. A expectativa do setor é que as mudanças ocorram ainda em 2016.

A proposta em discussão sugere que o patamar de R$1 milhão seja válido como teto para negócios em que o mutuário o FGTS como entrada no momento da compra ou na composição da linha de financiamento. Já o limite de R$ 1,5 milhão valeria para os casos sem recursos do FGTS.

A última elevação no teto do preço dos imóveis que podem ser financiados pelo SFH ocorreu em outubro de 2013. Na ocasião, o governo aumentou de R$ 500 mil para R$ 750 mil em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Distrito Federal. Nos demais estados, o teto foi para R$ 650 mil.

Última elevação no teto do preço foi de R%24 500 mil para R%24 750 milDivulgação

“O valor do SFH, hoje, está completamente defasado”, argumenta o presidente da Federação Internacional das Profissões Imobiliárias, Rodrigo Luna.

Os líderes empresariais defendem o aumento do limite para que mais consumidores comprem imóveis no âmbito do SFH. Nesse sistema, o crédito é regulamentado e conta com taxas de juros abaixo das praticadas no livre mercado.

Os bancos têm de destinar, no mínimo, 65% do saldo da caderneta para o crédito imobiliário. Desse total, 80% têm de ser destinados a imóveis na linha do SFH e o restante para operações com taxas de mercado.

No entanto, há escassez de recursos da caderneta para os financiamentos. Entre janeiro e agosto, saques da poupança superaram as captações em R$ 48 bilhões.

Últimas de Economia