Em dia tenso, Bovespa cai mais de 10% e entra em circuit breaker de meia hora

Queda se deve aos escândalos políticos divulgados nesta quarta

Por O Dia

São Paulo - A forte queda nas ações da carteira Ibovespa acionou o circuit breaker por volta das 10h21 desta quinta-feira. Com isso, a Bolsa suspende qualquer negócio por um período de meia hora, numa primeira interrupção. Circuit breaker é um mecanismo utilizado pela Bovespa que "segura" a compra e venda de ações para evitar perdas muito bruscas. É como se fosse um "escudo" para blindar o mercado de ações.

Segundo a assessoria de imprensa da B3, essa é a primeira vez desde 22 de outubro de 2008, no auge da crise financeira global, que a suspensão de meia hora é acionada.

O circuit breaker foi acionado quando o Ibovespa marcou 60 470,22 pontos em queda de 10,47% perto do horário acima. 

O escândalo envolvendo o presidente Michel Temer que estourou na quarta-feira também alimenta a demanda pelos papéis da dívida dos EUA. Às 10h11 (de Brasília), o juro da T-note de 10 anos caía a 2,214%, enquanto o do T-bond de 30 anos recuava a 2,894%. Já o rendimento da T-note de 2 anos mostrava volatilidade e subia a 1,266%.

A negociação do contrato para junho do Ibovespa também segue travada, desde a abertura às 9h03. Ao cair 10,02% e marcar o limite de pontuação mínima (aos 61.180 pontos), o contrato parou de ser negociado, atendendo às regras do segmento na B3.

"Pela regra da Bolsa, não serão fechados negócios abaixo dessa pontuação. As pessoas só podem negociar até esse preço", afirmou o analista da Clear Corretora, Raphael Figueredo.

Às 10h40, o Ibovespa futuro entrou em leilão após a B3 determinar para o pregão desta quinta mudança na regra de oscilação diária. Às 10h36, a B3 reiterou em nota que os contratos futuros e minicontratos de Ibovespa podem passar a ter oscilação diária mínima dos atuais 10% para 15% sobre o preço de ajuste de quarta. A regra vale apenas para esta quinta-feira.

A Bolsa volta a operar 30 minutos depois da interrupção pelo circuit breaker. Passado esse período e reiniciados os negócios, a Bolsa pode suspender a negociação mais uma vez, caso o Ibovespa recue mais 15%, sempre levando em consideração a pontuação de fechamento do dia anterior. Se isso acontecer, a sessão é suspensa por uma hora.

A última vez que essa segunda interrupção pelo circuit breaker aconteceu foi em 6 de outubro de 2008. Passado esse período, a Bolsa reinicia os negócios e pode vir a interromper mais uma vez o pregão caso o índice caia 20%. Nesse caso, o tempo de suspensão será determinado pelo diretor de pregão do segmento Bovespa da B3.

Últimas de Economia