Depois de 1 mês, futuro de Schumacher ainda é incerto

Segundo médicos, estado do ex-piloto é 'crítico, mas estável'

Por O Dia

Rio - O ex-piloto Michael Schumacher completa nesta quarta-feira, 31 dias internado em estado de coma induzido no Hospital Universitário de Grenoble, na França. Foi no dia 29 de dezembro que o mundo recebeu com apreensão a notícia de que o heptacampeão mundial de Fórmula 1, havia batido a cabeça em um rocha enquanto esquiava nos Alpes Franceses. Em meio a boatos e especulações a cerca do futuro do alemão, sua assessora de imprensa, Sabine Kehm, resolveu se pronunciar.

Schumacher completou 1 mês em comaEfe

"Estou salientando novamente que qualquer declaração sobre a saúde de Schumacher que não venha dos médicos que estão tratando dele ou de sua equipe deve ser considerada como especulação. E nós não vamos comentar nenhuma especulação", falou à imprensa por meio de um comunicado.

A declaração da assessora foi uma resposta aos fãs que acompanham a evolução do estado clínico do piloto. O pessimismo dos médicos e especialistas sobre a condição de Schumacher ainda é grande.

"É muito pouco provável que o Schumacher que conhecíamos antes do acidente retorne", disse o ex-chefe médico da Fórmula 1, Gary Hartstein em seu blog.

Segundo Hartstein, apenas a metade dos pacientes com um traumatismo como o de Schumacher que passam um mês em estado vegetativo despertam e sofrem 'deteriorações neurológicas significativas'.

"A cada dia que passa, diminuem as possibilidades de ver a situação melhorar", comentou o médico Jean-Marc Orgogozo, especialista em neurologia do hospital de Bordeaux, à revista francesa "Le Point".

O último boletim médico apresentado pelo Hospital Universitário de Grenoble, no dia 6 de janeiro, aponta que o estado de saúde do alemão é 'crítico, mas estável'. Schumacher está sendo mantido em coma induzido para reduzir a pressão intracraniana e melhorar a oxigenação do cérebro. Desde o início da internação, Schumacher já passou por duas cirurgias.

Últimas de Esporte