Negociação frustrada é terceiro chapéu de Ronaldinho no Palmeiras

Descartada após estresse de Assis, irmão e empresário do meia, transação esteve perto de ser concluída em 2011 e 2013

Por O Dia

São Paulo - O Palmeiras descartou nesta quarta-feira de forma definitiva a contratação de Ronaldinho Gaúcho. Após ter tudo acertado com Assis, irmão e empresário do jogador, o clube alviverde recebeu uma negativa e o negócio, de uma hora para outra, melou. Algo que está se tornando rotineiro na relação entre o time do Palestra Itália e o atleta. Esta já é a terceira vez que os palmeirenses levaram um “chapéu” do staff do meia.

Palmeiras paga taxa para a Federação Mineira, mas nega acerto com Ronaldinho

Ronaldinho rescindiu contrato com o Atlético-MG no fim de julhoDivulgação

O sonho de Paulo Nobre, presidente do Palmeiras, era anunciar Ronaldinho como reforço na noite da última terça-feira durante o jantar de comemoração do centenário da clube. Salários e prêmios haviam sido definidos (um total de R$ 2,6 milhões até o final do ano), bem como a camisa 100 já havia sido reservada para o craque, que seria apresentado nesta quarta. Mas Assis “se estressou”.

Diretor do New York Red Bulls descarta Ronaldinho: 'Não iremos atrás'

“Chegamos a acertar tudo com o Assis e, inclusive, enviamos o contrato para o Ronaldinho assinar. Até que recebemos a notícia, no fim da tarde, que o Assis havia se estressado e desistido do negócio”, afirmou Jorge Nicola Maurício Precivalle, vice-presidente do Palmeiras.

Em outras duas oportunidades, o irmão de Ronaldinho já havia dado o cano na equipe alviverde. Na primeira, em 2011, Assis negociou simultaneamente com Flamengo, Palmeiras e Grêmio. O empresário chegou a estar apalavrado com o então presidente Luiz Gonzaga Belluzzo e com os gaúchos, mas foi o Rio de Janeiro seu destino.

LEIA MAIS: Notícias, resultados e bastidores do Campeonato Brasileiro

Já no ano passado, o Palmeiras voltou a negociar com Assis durante o período em que Ronaldinho não sabia se renovaria seu contrato com o Atlético-MG. Na ocasião, o atleta e seu irmão optaram pela permanência em Belo Horizonte.

Reportagem de Pedro Taveira