Pará recebe a bênção dos monstros sagrados

Leandro e Jorginho, ídolos do Fla, garantem que Pará tem potencial para substituir Léo Moura à altura

Por O Dia


Rio - O abraço de Léo Moura em Pará no amistoso com o Nacional, na noite de quarta, no Maracanã, simbolizou a passagem do bastão para o novo dono da lateral direita do Flamengo. A saída de um ídolo, que estava há dez anos no clube, não costuma ser fácil para o seu substituto — ainda mais com uma torcida exigente e sem paciência para falhas —, mas quem sabe da posição aposta no paraense de 29 anos. Leandro e Jorginho, dois monstros sagrados da posição e que marcaram época no clube, veem potencial em Pará para esta difícil missão.

Pará será o titular do FluminenseDivulgação

“Não acho que sentirá a pressão, é experiente, rodado. É bom lateral, bom marcador, mas não é o Léo Moura. Acredito que agora ele pode render até mais pois terá tranquilidade para desenvolver seu futebol sem sombra. A confiança aumenta”, disse Leandro.

LEIA MAIS: Notícias, contratações e bastidores: confira o dia a dia do Flamengo

Já Jorginho viveu situação parecida com a de Pará. Chegou ao Flamengo em 1984 e teve que substituir ninguém menos do que Leandro, que já sofria com dores no joelho direito e pediu para jogar na zaga. A primeira experiência foi logo na estreia no Carioca, contra o Botafogo.

“Era uma responsabilidade grande, uma carga forte de pressão, mas eu vinha de boa fase. Como entrei muito bem e estava em bom momento, não senti muito. Pará possui personalidade forte e isso pode ajudar, mas é diferente do Léo Moura. É mais forte na marcação e não tem a mesma técnica. É um desafio para ele mostrar que pode jogar pelo Flamengo”, afirmou Jorginho, que deu algumas dicas: “Não pode deixar vaia inibi-lo. O torcedor tem que ver que há outro jogador de qualidade na posição. Vai depender exclusivamente dele.”

Leandro também pede para o torcedor ter paciência e não ficar comparando o novo titular com Léo Moura: “Pará não vai resolver, mas está lá para ajudar. Tem que começar tranquilo, fazer o feijão com arroz para ganhar confiança e conquistar pontos aos poucos com a torcida.”

A pressão da torcida também foi a principal preocupação de Léo ao falar com Pará na saída do jogo de quarta. Apesar disso, o ídolo aposta no sucessor: “A primeira coisa que falei é para ter paciência. Está substituindo um jogador que ficou muito tempo, mas ele tem futebol para isso. Espero que faça história e ganhe títulos.”

Mugni e Eduardo treinam como titulares

Pará no lugar de Léo Moura na lateral direita não será a única mudança no time contra o Friburguense, amanhã no Engenhão. Vanderlei Luxemburgo testou Lucas Mugni e Eduardo da Silva entre os titulares no treino de quinta.

A primeira parte da atividade foi fechada para a imprensa, mas depois de aberto o treino, o técnico realizou um tático. Como Arthur Maia e Everton fizeram um trabalho físico à parte, Mugni e Eduardo ganharam uma chance.

Anderson Pico, que já havia participado do amistoso contra o Nacional, foi mantido. Bressan também segue na zaga no lugar de Samir, com lesão na coxa direita que o deixará fora por um mês.