Marlon, um zagueiro bom de drible

Zagueiro evita comentar as brigas políticas e o atraso de salários no Fluminense

Por O Dia

Rio - Apesar da pouca idade, tem apenas 19 anos, Marlon mostrou destreza para driblar os questionamentos sobre a crise enfrentada pelo Fluminense. “Pato novo na lagoa não dá mergulho fundo. Quero ficar no raso”, disse. Como promissor zagueiro, ele se manteve na defensiva. Dúvidas sobre atraso de salário e premiação e briga política ficaram sem resposta. Grata surpresa em 2014, a revelação de Xerém se firmou, apesar do conturbado ambiente, mas deixou a polêmica para os medalhões.

“Não quero falar sobre isso, deixo para os mais ‘cascudos’. Quero fazer a minha parte, dar o meu melhor. Tem que colocar o pé onde se alcança. Sobre as situações que estão acontecendo, quero ficar ausente. Só quero jogar e ajudar o Fluminense da melhor forma. Quero ficar na minha”, ressaltou Marlon.

Marlon tem mostrado habilidade com pés e com as palavrasDivulgação

Com chances reduzidas de ir à Libertadores, o Tricolor teme que a pressão, que já era enorme, influencie no rendimento nas decisões contra Corinthians e Cruzeiro. A derrota para a Chapecoense aumentou o tom de cobrança sobre o grupo, que não respondeu à altura no compromisso seguinte contra o Sport. Foi o estopim para os problemas extracampo começarem a ser externados. Primeiro pelo capitão Fred, depois por Rafael Sobis e, de maneira mais reveladora, pelo apoiador Wagner.

LEIA MAIS: Notícias, contratações e bastidores: confira o dia a dia do Fluminense

O clima de incerteza pela redução de investimento da patrocinadora preocupa. Oásis dos salários milionários, o Fluminense enfrentará uma nova realidade. Com risco de perder nomes consagrados, como Diego Cavalieri, Carlinhos, Diguinho e Valencia, em fim de contrato, o clube voltará os olhos para Xerém à procura de jovens maduros como Marlon.

“É complicado para um garoto de 19 anos na zaga em jogos contra Corinthians e Cruzeiro, mas não posso me deixar esmorecer. Tenho que seguir firme”, disse Marlon.

À frente de promessas, como Kenedy, Robert, Biro Biro e Matheus Carvalho, o ambicioso zagueiro mira o exemplo do ídolo Thiago Silva, do PSG, para ajudar o Fluminense a conquistar a dificílima classificação à Libertadores e, consequentemente, alcançar sonhos maiores na carreira. E aí sim estará pronto para mergulhos mais fundos.