Gabigol admite ansiedade para jogar com Neymar e prega 'pés no chão'

Atacante atuou uma única vez com o craque no Santos

Por O Dia

Rio - A possibilidade de jogar ao lado de Neymar na seleção olímpica brasileira mexe com Gabigol. O atacante santista admitiu a ansiedade de dividir espaço com o craque do Barcelona, revelado pelo mesmo clube que ele. Um dos destaques do Peixe na atualidade, o jogador relembrou o momento em que os dois atuaram juntos pela equipe paulista. 

"Joguei com ele na minha estreia, que foi a despedida dele, foi pouco tempo. Jogar ao lado dele e do Jesus que é craque, na minha opinião, fica fácil. Temos que procurar espaços e jogar sempre perto", afirmou.

Gabigol mantém a expectativa de atuar com NeymarLucas Figueiredo / MoWA Press / Divulgação

O atual momento da Seleção não é considerado por Gabigol um peso a mais na atual geração. Segundo ele, o peso de defender as cores verde e amarela, ainda mais em casa, seria muito grande em qualquer circunstância.

"Mesmo se tivesse ganhado todos os campeonatos haveria pressão do mesmo jeito. Independentemente de ganhar ou perder a pressão vai ser a mesma. Sabemos que precisamos jogar um bom futebol, mostrar que o Brasil está se renovando, vai ser uma pressão boa, todo jogador queria estar no nosso lugar, num Olimpíada no Brasil. Vamos levar bem isso e precisamos do torcedor, de uma bela festa", disse.

LEIA MAIS: Notícias, programação e quadro de medalhas da Olimpíada do Rio

A atual equipe brasileira tem jogadores que vem gerando muita expectativa nos torcedores. Além de Gabigol, Neymar; Gabriel Jesus e Luan também receberam muitos elogios. Perguntado sobre uma nova edição do quarteto fantástico, equipe de 2006 do Brasil que contava com Kaká, Ronaldinho, Ronaldo e Adriano, Gabigol preferiu manter os pés no chão. 

"É muito bom, mas acho que não tem comparação alguma, temos o Luan, o Gabriel, o Neymar nem se fala, mas temos que fazer nossa história, é uma nova geração. Não tem comparação alguma, ficamos contente, mas isso não é bom. Queremos trabalhar com os pezinhos no chão", concluiu.


Últimas de _legado_Olimpíada