Kesley Teodoro alcança o 4º lugar, mas garante: 'Não serei apenas coadjuvante'

Brasileiro concluiu os 100m rasos em 11.0s, seu melhor tempo neste ano

Por O Dia

Se a medalha não veio, Kesley Teodoro já pôde se tornar conhecido pelos adversários. Quarto lugar na final dos 100m rasos, categoria T13 (deficiencia visual parcial), o brasileiro garante que chegou no esporte para ser protagonista.

"Corri com os mais rápidos do mundo. Eu tenho apenas seis meses de treinamento, e decidi ganhar desses caras. Quando passei da linha de chegada não sabia qual era minha posição.  E eu tenho a certeza que não serei apenas coadjuvante. Eles perceberam minha presença e me marcaram", afirmou o atleta, que garante nem ter prestado atenção de que ao seu lado estava o irlandês Jason Smyth, campeão da prova.

 "Tenho certeza que deixei minha cara marcada para eles, mas eu não marquei a de ninguém. Se o Jason Smyth passar por mim, não vou reconhecer, já enxergo pouco mesmo", brincou Kesley.

Kesley, que fez a prova em 11.00s, seu melhor tempo no ano, confessa que disputar uma Paralimpíada com a torcida a seu favor pesou no momento da prova.

"Quando a gente tá na concentração, ficamos calmos, mas o coração bate forte quando chegamos na rampa. Dá vontade de chorar com essa torcida. Ali é o momento que o coração bate forte. O que faz a partícula acelerar é essa torcida, esse povo que ama a gente", afirmou o atleta de 23 anos.

*Reportagem de Yuri Eiras

Últimas de _legado_Paralimpíada