Antônio Tenório e mais dois brasileiros se classificam para a final no judô

Disputas por medalha começam a partir das 15h30, na Arena Carioca 3

Por renata.amaral

Rio - O último dia de judô nos Jogos Paralímpicos - disputado por atletas com deficiência visual - foi muito positivo para o Brasil. Atleta mais aguardado da competição, Antônio Tenório (categoria até 100 kg) garantiu uma vaga na final, a quinta de sua história. O maior nome do judô paralímpico mundial enfrenta o sul-coreano Gwanggeun Choi na final. Também candidato ao ouro, Willians Araújo (acima de 100 kg) confirmou o favoritismo e se garantiu na decisão. Ele enfrenta Adiljan Tuledibaev, do Uzbequistão. Alana Maldonando (até 70 kg) também se classificou para a decisão e irá enfrentar a mexicana Lenia Ruvalcaba Alvarez. O Brasil ainda irá disputar o bronze, com Deanne Almeida. Após ser derrotada na semifinal, a brasileira disputa o terceiro lugar contra a americana Christella Garcia. As disputas por medalha no judô paralímpico começam a partir das 15h30, na Arena Carioca 3.

Antonio Tenorio se classificou para a finalCleber Mendes/MPIX/CPB


Veja abaixo como foi o desempenho dos judocas brasileiros durante a manhã:

Masculino: Tenório faz história novamente e Willians vai à final. Arthur fica pelo caminho

Tetracampeão paralímpico, Antônio Tenório (categoria até 100 kg) estreou bem, diante do alemão Oliver Upmann. Buscando o golpe perfeito desde o Hajimê - comando de início de combate - o brasileiro aplicou uma técnica de sacrifício e levou a luta para o solo. Com persistência, conseguiu aplicar uma imobilização no rival e venceu o combate. Nas quartas de final, Tenório enfrentou o britânico Christopher Skelley, 23 anos mais novo que o brasileiro, que tem 46. A luta foi amarrada até o final e nenhum dos atletas pontuou, apenas contando as duas punições aplicadas a cada um. O combate então foi para o Golden Score e apesar do cansaço, Antônio tentou conectar alguns golpes, ainda que sem sucesso. Apesar de resistir às investidas de Tenório, Skelley não buscou nenhuma técnica em quase dois minutos de tempo extra. Ele então foi punido por falta de combatividade e a luta encerrada com vitória do brasileiro. Na semifinal, mais uma luta amarrada, dessa vez contra o uzbeque Shirin Sharipov. Com muitas paralisações ao longo do combate e quatro punições aplicadas - três para Shirin e uma para Tenório - a luta só foi decidida quando o cronômetro marcava dois segundos para o fim. Aplicando uma técnica de sacrifício, o brasileiro consolidou a vitória com a conquista de um yuko, suficiente para levá-lo à quinta final paralímpica de sua história.

Willians Araújo (acima de 100 kg) foi o único brasileiro entre os homens a estrear já na fase de quartas de final. Candidato ao ouro, ele precisou de apenas 19 segundos para vencer por ippon o iraquiano Garrah Albdoor. Na semifinal, diante do cubano Yangaliny Jimenez, o brasileiro teve um duelo mais equilibrado. Porém, aplicou novamente uma técnica perfeita e se classificou para a primeira final paralímpica de sua carreira.

Willians Araujo também se classificou para a finalCleber Mendes/MPIX/CPB

Arthur Maldonado (até 90 kg) iniciou sua trajetória ainda na primeira fase, mas não teve o mesmo desempenho do tetracampeão. Após vencer por ippon na estreia contra o espanhol Abel Vasquez, o brasileiro encarou Oleksander Nazarenko, da Ucrânia, e com pouco mais de um minuto de combate, não resistiu ao ritmo imposto pelo adversário. Nazarenko aplicou um Tani Otoshi - técnica que mescla o calçamento ao adversário e o deslocamento do mesmo para trás - e conquistou um wazari, que é a última pontuação antes do Ippon. Na sequência o ucraniano imobilizou Arthur, que não conseguiu desfazer a técnica. Mesmo derrotado, o brasileiro deixou a Arena muito aplaudido pela torcida. Na repescagem, o brasileiro foi facilmente envolvido pelo britânico Samuel Ingram, que com uma imobilização acabou eliminando Arthur.

Alana Maldonado vai disputar o ouroCleber Mendes/MPIX/CPB

Feminino: Alana se classifica para a final e Deanne briga pelo bronze

Já começando o torneio nas quartas de final, Alana Maldonado (até 70 kg) venceu com tranquilidade a britânica Natalie Greenough, com um ippon na metade do combate. A brasileira já estava com a vantagem conseguida com um yuko no começo da luta e aproveitou um descuido da adversária para aplicar o golpe e sair do dojô - área de luta - com a vitória. Na semifinal, Alana teve um confronto complicado diante da húngara Nikollet Szabo. Restando pouco mais de um minuto para o fim do combate, a brasileira conseguiu projetar Szabo no solo e garantiu o wazari. Coube a Alana, manter a vantagem na luta e garantir uma vaga na final da categoria.

Também entrando nas quartas, Deanne Almeida (acima de 70 kg) bateu outra americana, Sarah Chung, com uma facilidade impressionante. Aos cinco segundos de luta, a brasileira aplicou um golpe indefensável na americana e deixou o dojô sob os aplausos de todo público que lotou a Arena Carioca 3. Os mesmos cinco segundos que deram a vitória a Deanne, foram impiedosos com a brasileira na semifinal. Pouco depois do comando de Hajimê, a chinesa Yanping Yuan levou a luta para o solo com extrema facilidade a aplicou uma imobilização na brasileira. Deanne não ofereceu resistência enquanto esteve presa à técnica e perdeu a chance de brigar pelo ouro.

Reportagem de Antonio Júnior

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia