Dólar cai 0,66% ante real por otimismo com Grécia

Atenas entregou nesta manhã novo plano de reformas a seus credores, incluindo o aumento da idade de aposentadoria

Por O Dia

O dólar fechou em queda ante o real nesta segunda-feira, refletindo o otimismo nos mercados externos sobre a possibilidade de solução para a crise envolvendo a dívida da Grécia, após Atenas apresentar nova proposta a seus credores.

A moeda norte-americana caiu 0,66%, a R$ 3,081 na venda, após chegar a recuar 1,14%, a R$ 3,066, na mínima do dia. Segundo dados da BM&F, o giro financeiro ficou em torno de US$ 1,3 bilhão.

"Preocupações com a possibilidade de contágio (da situação na Grécia) estão ficando mais moderadas", escreveram analistas do Scotiabank em relatório, ressaltando que, nesse contexto, investidores voltavam a comprar ativos de maior risco, como aqueles denominados em reais.

A Grécia entregou nesta manhã novo plano de reformas a seus credores, incluindo o aumento da idade de aposentadoria. O presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, afirmou que as novas propostas foram bem recebidas e podem servir como base para firmar um acordo ainda nesta semana, afastando preocupações com a possibilidade de calote grego.

Pesquisa do Barclays com 899 investidores em todo o mundo mostrou que mais de metade dos consultados acreditavam que eventual saída da Grécia da zona do euro teria impacto limitado sobre os mercados financeiros, uma vez que a economia grega é pequena e foram tomadas medidas para limitar possíveis contágios. Além disso, apenas 23 por cento deles esperavam que isso aconteça nos próximos meses.

No Brasil, a queda do dólar sobre o real foi influenciada também pela expectativa de entrada de recursos externos diante do cenário de mais altas da Selic, que aumenta a atratividade de papéis brasileiros. No entanto, esse fluxo positivo ainda não se materializou. Segundo informações do BC, o Brasil registrou saída líquida de 3,128 bilhões de dólares em junho até o dia 18 --sendo cerca de US$ 2,5 bilhões apenas na semana passada.

"É uma surpresa. Os juros brasileiros são muito atraentes, então o mercado está apostando em entradas significativas. Se esses números (de fluxo) não melhorarem nas próximas semanas, podemos ver uma reversão", afirmou o operador de uma corretora nacional, sob condição de anonimato.

Economistas de instituições financeiras passaram a ver a taxa básica de juros a 14,25% no fim deste ano na pesquisa Focus do BC divulgada nesta manhã. Já no mercado de juros futuros, a aposta é que a Selic, hoje a 13,75% ao ano, terminará o ano a 14,50%, segundo operadores.


Últimas de _legado_Notícia