Trump e Santos discutem apoio de paz com as Farc e crise venezuelana

Presidentes conversaram, por telefone, no último sábado

Por O Dia

Washington - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e mandatário da Colômbia, Juan Manuel Santos, discutiram em uma conversa telefônica, no último sábado, o apoio de Washington para o acordo de paz com as Farc e a crise na Venezuela, segundo informações divulgadas nesta segunda-feira pela Casa Branca.

"Os dois presidentes falaram sobre o apoio dos Estados Unidos para o esforço da Colômbia de gerar uma paz justa e duradoura após seu conflito de 52 anos com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia", disse a Casa Branca através de um comunicado.

Donald Trump e%2C o mandatário da Colômbia%2C Juan Manuel SantosReprodução

O Congresso dos EUA aprovou em meados de 2016, a pedido do ex-presidente Barack Obama, uma verba perto de US$ 500 milhões para o programa "Paz na Colômbia", que tem como objetivo apoiar o acordo com a guerrilha, um respaldo que o governo colombiano espera manter com o governo de Trump.

Desde a assinatura do acordo, em novembro do ano passado, cerca de 7 mil guerrilheiros das Farc se concentraram nas denominadas Zonas Veredas Transitórias de Normalização (ZVTN), onde estão se desmobilizando e de lá sairão daqui seis meses vestidos à paisana e desarmados.

Em sua conversa com Santos, Trump também "expressou preocupação pela situação na Venezuela e os dois presidentes falaram da importância em promover o respeito pelas instituições democráticas e as leis em todo o continente". Trump também havia conversado da crise na Venezuela em outra ligação telefônica, no domingo, com o presidente peruano, Pedro Pablo Kuczynski.

Na verdade, os EUA impuseram sanções econômicas ao vice-presidente da Venezuela, Tareck El Aissami, por "desempenhar um papel significativo no tráfico internacional de drogas".

Em sua conversa com Santos, Trump também ressaltou "a importância de manter a longa tradição de cooperação com a Colômbia", um dos "maiores aliados" dos EUA no continente, disse a nota oficial.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência