Autópsia revela que vocalista do Linkin Park não estava sob efeito de droga

Resultado da autópsia foi revelado nesta terça-feira pelo site americano TMZ. Cantor Chester Bennington se matou em julho e sofria de depressão há anos. Ele lutava contra o vício do álcool e das drogas

Por O Dia

EUA - A autópsia de Chester Bennington, líder do Linkin Park, revelou que o cantor não estava sob influência de drogas quando se enforcou. Ele faleceu no dia 20 de julho. Os resultados foram divulgados nesta terça-feira pelo site americano TMZ.

Chester BenningtonFacebook/ Página Oficial / Blue Gorilla Pictures

Três testes foram realizados e apenas um deles apontou a presença de ecstasy. Sendo assim, a conclusão é que o vocalista não usou nenhum tipo de substância antes de cometer suicídio. Com os testes, ainda foi revelada uma pequena quantidade de álcool no organismo de Chester, que lutava contra o vício de drogas e álcool e estaria sóbrio, segundo os familiares e amigos, há seis meses.

Chester BenningtonFacebook / Página oficial

Os responsáveis pela autópsia ainda encontraram unhas das mãos por baixo de seu celular e em uma mesa do quarto. A viúva do artista, Talinda Ann Bentley, declarou que Chester roia unhas quando estava ansioso, além de ter confirmado seu histórico de depressão e uma tentativa de suicídio em 2006.


Últimas de _legado_Mundo e Ciência