Policial demitido por fazer filme erótico retorna ao cargo

Justiça decidiu que o fato de o servidor ter participado da gravação não é argumento para exonerá-lo

Por O Dia

Um investigador da Polícia Civil que foi exonerado por ter atuado em um filme erótico antes de ingressar na carreira ganhou na Justiça o direito de voltar ao cargo. Por decisão unânime, o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) determinou a reintegração do profissional.

O servidor havia sido exonerado durante o estágio probatório, sob o argumento de que não possuía conduta ilibada, por ter participado do filme adulto "A Musa da Borracharia".

O cargo também lhe foi tirado em razão de um boletim de ocorrência que registrava seu envolvimento em um acidente de trânsito, também antes de tomar posse.

Em seu voto, o desembargador Sérgio Jacintho Guerrieri Rezende, relator do processo, afirmou que o comportamento do policial deveria ter sido analisado antes de sua posse.

“Reavaliar o comportamento do servidor por ter participado de gravação de filme erótico muito antes de se tornar policial também afronta o princípio da razoabilidade e da impessoalidade, pois nada indica que lhe falte aptidão para assumir os encargos de um policial”, afirmou o magistrado.

Últimas de _legado_Brasil