PGR garante empenho para extraditar líder da máfia italiana preso no Recife

Pasquale Scotti foi condenado à prisão perpétua por crimes cometidos entre 1980 e 1983, entre eles mais de 20 homicídios

Por O Dia

Italiano condenado por chefiar máfia é preso no RecifeDivulgação/Polícia Federal

Brasília - A Procuradoria-Geral da República (PGR) informou nesta sexta-feira que tratará com prioridade eventual pedido de extradição do italiano Pasquale Scotti, apontado como líder da organização criminosa Camorra.

Ele foi preso na última terça-feira, no Recife, em uma operação da Polícia Federal e da Interpol (Polícia Internacional). O governo da Itália tem prazo de 90 dias para pedir ao Supremo Tribunal Federal a extradição do acusado.

Em nota, a PGR informou que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, entrou em contato com autoridades italianas para garantir empenho máximo no processo de extradição. Scotti deve aguardar a decisão do Supremo no Complexo Penitenciário da Papuda, no Distrito Federal.

O italiano é apontado como fundador da Nova Camorra Organizada – subgrupo criado após a prisão do principal chefe da Camorra, Raffaele Cutolo, em 1982.

Em 2005, a Justiça condenou o mafioso Scotti à prisão perpétua por crimes cometidos entre 1980 e 1983, entre eles mais de 20 homicídios, porte ilegal de armas de fogo, extorsão, intimidação e ameaças. O italiano estava foragido desde 1984 e vivia no Recife há anos, com documentos falsos, em nome de Francisco de Castro Visconti.

Líder da máfia italiana é preso no Recife

Líder da máfia italiana preso pela Interpol e PF chega a Brasília

Polícia apura suposta rede de apoio a mafioso italiano preso no Recife

Últimas de _legado_Brasil