Travesti é apedrejada e espancada por quatro homens após sair de festa

Nicoly Holiver, de 24 anos, teve ferimentos na cabeça e nas mãos; ela e amiga foram agredidas, em Sergipe

Por O Dia

Nicoly afirma ter sido vítima de homofobiaReprodução Facebook

Sergipe - Uma travesti de 24 anos afirma ter sido vítima de homofobia após ser espancada por quatro homens manhã do último domingo, em Canindé do São Francisco, em Sergipe. Nicoly Holiver e uma amiga voltavam de uma festa quando foram abordadas pelos agressores. Ela relata que foi apedrejada e agredida com socos e pontapés. A amiga conseguiu fugir do local e pedir socorro. O caso foi registrado na Delegacia de São Canindé.

De acordo com a publicação local, Nicoly, que trabalha em um salão de beleza da cidade, conta que voltava de uma festa com a amiga quando os rapazes começaram a insulta-las. Depois disso, eles começaram a jogar pedras nas duas.

Ao pedir para que parassem com a ação, Nicoly foi agredida com um soco no rosto. Desesperada, a amiga tentou impedir o ataque e jogou uma pedra no homem que agrediu a colega, e, em seguida, correu para buscar ajuda. Irritados, os rapazes deram início a uma série de socos e pontapés contra a vítima. 

Devido às agressões, Nicoly ficou desacordada por alguns segundos. Quando retomou a consciência, conseguiu se livrar dos agressores e buscou auxílio na casa vizinha ao bar.Ela teve vários ferimentos e cortes na cabeça e foi encaminhada para um hospital da região, onde levou pontos nas duas mãos. 

Segundo a vítima, antes das agressões, os homens teriam tentado manter relações sexuais com ela e a amiga. Como recusaram a proposta, foram agredidas. Ela ainda ressalta que os agressores estavam sob o efeito de álcool ou drogas.

A delegacia onde o crime foi registrado não informou sobre as investigações. Não há informações sobre prisões.

Travesti conta que os homens tentaram manter relações sexuais com ela e a amiga%2C mas elas recusaram. Revoltados%2C eles a agrediramarquivo pessoal


Últimas de _legado_Brasil