Semana do ovo mostrará que consumo faz muito bem

Campanha nacional vai esclarecer a população sobre propriedades nutritivas

Por O Dia

Rio - Alimento de fácil preparo e preço baixo — a dúzia sai a partir de R$ 2,95 em alguns mercados do Rio — o ovo terá campanha nacional específica para esclarecer a população sobre suas altas propriedades nutritivas. Produtores e entidades, como a Associação Paulista de Avicultura (APA) e o Instituto Ovos Brasil, lançam nesta quinta-feira os preparativos para a Semana do Ovo no país. O evento acontece na primeira quinzena do mês de outubro.

Os participantes da reunião vão apresentar propostas e ações para envolver supermercados, restaurantes, entre outros segmentos, na divulgação e no incentivo do consumo do produto no país. O Dia Mundial do Ovo é comemorado sempre na segunda sexta-feira de outubro, que este ano cairá no dia 11.

“Queremos mostrar que o ovo é um alimento saudável e completo. E também desmistificar a ideia de que o consumo de ovo aumenta o nível do colesterol, prejudicando a saúde”, explica José Roberto Botura, diretor do Instituto Ovos Brasil.

A produtora Renata Tanus considera o ovo um alimento básico e que não pode faltar na mesa do brasileiroCarlo Wrede / Agência O Dia

Média de 162 unidades por ano

As atividades da campanha visam também o aumento do consumo no país. Segundo dados do instituto, o brasileiro come 162 ovos por ano, patamar bem abaixo da média mundial que é de 205 por pessoa. Países como México (360 unidades), Japão (300) e Estados Unidos (245) lideram a lista dos que mais consomem ovo no mundo.

A produtora de eventos Renata Tanus, 25 anos, não abre mão de ter o alimento em suas refeições. “Eu sou apaixonada por ovo. Considero um alimento necessário em nosso dia a dia”, afirma.
A administradora Gabrielle Guimarães, 35, diz que o ovo é um item básico da alimentação do brasileiro.

Alimento pode substituir a proteína que há na carne

A nutricionista Christinna Azevedo confirma os benefícios que resultam das altas propriedades nutritivas do ovo. Segundo ela, o alimento pode substituir o consumo de carne, favorecendo a população de baixa renda, sem que afete dieta de proteína. “Dois ovos equivalem a cem gramas de carne. O consumidor pode programar comer ovo quatro vezes por semana, alternando com a carne. Um produto no almoço, outro na janta”, exemplifica.

A especialista em obesidade e emagrecimento lembra que o alimento é importante para o funcionamento do cérebro, do sangue, a saúde dos olhos e da pele.

“Sem contar que possui gorduras boas para o coração. Tem vitamina A na gema que favorece a visão e o metabolismo de cálcio. O ideal, no entanto, é evitar o consumo de ovo frito, cujo preparo oxida as gorduras saudáveis”, recomenda Christinna Azevedo.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência