Obama diz que não se preocupa com sua segurança pessoal

'Temos um Serviço Secreto que faz um trabalho extraordinário a cada dia', falou o presidente americano

Por O Dia

Presidente americano, Barack Obama não teme por sua segurança pessoalReuters

Estados Unidos - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, garantiu nesta sexta-feira que não se preocupa demais com sua segurança pessoal, 50 anos depois que dois disparos acabaram com a vida de John F. Kennedy, que na época acreditava que era protegido pelo Serviço Secreto.

"Não é algo que eu penso", disse hoje Obama em uma entrevista à emissora "ABC News". "Sobretudo, porque temos um Serviço Secreto que faz um trabalho extraordinário a cada dia", disse. "E, obviamente, a tragédia (daquele dia) gerou mudanças no Serviço Secreto em muitos sentidos, mas eles fazem um trabalho extraordinário e, felizmente, não é algo com o qual eu me preocupo", acrescentou.

Os Estados Unidos lembraram nesta sexta-feira o 50º aniversário do assassinato de Kennedy, que morreu depois de ser atingido por dois disparos quando desfilava em carro aberto em Dallas (Texas), no dia 22 de novembro de 1963.

Na entrevista, que será transmitida em sua totalidade na próxima sexta-feira, dia 29, e da qual a emissora divulgou hoje um pequeno trecho, Obama considerou que toda a família Kennedy, em geral, deixou um "legado incrível".

"Mas JFK em particular, acredito, capturou o idealismo, a capacidade de imaginar e reinventar os Estados Unidos para que se ajustassem aos seus ideais, de maneira que não vimos desde então, nem tínhamos visto antes", considerou Obama. "Ele realmente chegava às pessoas de uma forma que ainda tem significado para nós hoje", opinou.

Sua Presidência marcou "um impulso rumo ao futuro" para a geração que cresceu depois da Segunda Guerra Mundial, argumentou. "Acredito que isso se deu, em parte, por sua juventude, por sua elegância, por sua coragem e por sua história na Segunda Guerra Mundial", afirmou Obama.