Denise Tinoco: Brincar de pique

Opção é a velha colônia de férias. Profissionais esforçam-se para ‘descolar’ os dedos das crianças dos tablets e celulares

Por O Dia

Rio - ‘Você percebe que está ficando velho quando chama seu sobrinho para brincar de pique-pega, e ele responde que não tem este aplicativo no celular.’ A piada circulou, por semanas, em várias redes sociais. Novos tempos e que nos forçam a velhas reflexões sobre convivência, oportunidade de disseminação das culturas e formas de interação entre grupos sociais.

Se por um lado as crianças curtem jogos eletrônicos e redes sociais, por outro a família, cada vez mais atarefada, oferece atividades extracurriculares para os filhos. Assim, para além do Inglês e Espanhol, multiplicam-se as idas a escolinhas de futebol, teatro e dança. Mesmo que não se tenha parado para pensar, as escolhas por atividades coletivas refletem a preocupação intensa com a interação social dos pequenos.

Com a chegada do fim do ano e do recesso escolar, uma questão aparece: o que fazer com as crianças nas férias? Para muitas famílias, este é um tempo de convivência entre gerações, regados a sol e mar. Para outras, este período torna-se tenso, pois os adultos não se encontram disponíveis para temporadas na praia, campeonatos de videogame, cinema ou qualquer outra atividade que a meninada escolha para passar e aproveitar o tempo.

Boa opção é a inscrição das crianças nas velhas e renovadas colônias de férias. Profissionais esforçam-se para ‘descolar’ os dedos das crianças dos tablets e smartphones. Atividades coletivas, lúdicas, esportivas e até de culinária tentam fazer a garotada curtir as férias.

Mas todo cuidado é pouco na hora de escolher o espaço. É preciso conhecer as instalações físicas, verificar questões ligadas a segurança, ventilação, acessibilidade e quantitativo de adultos por crianças. Essencial, ainda, conhecer e aprovar as atividades oferecidas. Existem espaços que programam caçada ao tesouro, jogos de tabuleiro e outras brincadeiras do tempo da vovó.

Assim, cumpridas as exigências, é torcer para que as crianças curtam um pouco das melhores brincadeiras populares de todos os tempos. Possam brincar de pique-pega, pique-bandeira e amarelinha e apreciar as cantigas de roda. Enfim, possam tentar se equilibrar neste mundo tecnológico e perpetuar a cultura popular da nossa velha infância.

Denise Tinoco é pedagoga e especialista em Educação Infantil

Últimas de _legado_Opinião