Lojistas se preparam para manifestação desta quinta-feira

Comerciantes colocaram tapumes e decidiram fechar as portas mais cedo

Por O Dia

Rio - Com receio da minoria que tem promovido vandalismo no fim das manifestações, muitos comerciantes vão fechar suas lojas mais cedo, e alguns colocaram tapumes, protegendo vidros e portas, na expectativa do protesto previsto para sair nesta quinta-feira às 17h da Candelária. Na Avenida Presidente Vargas, o Banco Central, a Anac e a Oi já isolaram suas fachadas com estruturas de madeiras e aço.

“Sou mais do que a favor das manifestações. Pena que alguns grupos aproveitam para saquear e sujam a imagem da manifestação. Vamos fechar uma hora mais cedo”, disse Rerisson Dias, 21 anos, gerente da papelaria Ki Papel, que fica na Av. Presidente Vargas, rota da passeata desta quinta.

Na Avenida Presidente Vargas%2C alguns comerciantes colocaram tapumes protegendo vidros e portasSeverino Silva / Agência O Dia

Enquanto alguns se ‘armavam’, outros comerciantes preferiram esperar e “sentir o clima” da manifestação: “De repente nem vamos fechar durante a passeata. A manifestação é pacífica, então vamos esperar para ver”, disse o gerente da Farmácia Drogasmil, Cláudio Gonçalves.

Comandada pacificamente por cerca de 5 mil pessoas, a manifestação em São Gonçalo, terça-feira, terminou com 27 presos — todos ouvidos na 72ª DP e 73ª DP e liberados —, agências bancárias da Caixa Econômica Federal e Itaú depredadas e cerca de 100 lixeiras destruídas. Muitos muros foram pichados.

Vereador propõe ‘CPI dos Ônibus’ no Rio

No mesmo dia do anúncio da redução do valor da passagem, o líder da oposição na Câmara Municipal do Rio, vereador Eliomar Coelho (Psol), iniciou campanha para reunir 17 assinaturas e criar a CPI dos Ônibus. O objetivo é obter acesso aos contratos de concessão do transporte rodoviário urbano.

Até a noite desta quarta, Eliomar conseguiu 10 assinaturas e disse que o líder do Governo, o vereador Luiz Antonio Guaraná (PMDB), chegou a encerrar a sessão previamente para que ele não fizesse mais pedidos de adesão.

Guaraná disse, no entanto, que não tomou conhecimento do pedido e acrescentou que não vê justificativa para a comissão investigativa. A vereadora Verônica Costa (PR) chegou a assinar o documento, mas recuou.

Ponte Rio-Niterói fecha durante protesto

A Polícia Rodoviária Federal reabriu por volta das 21h05 desta quarta-feira a Ponte Rio-Niterói em ambos os sentidos, após quase duas horas de interdição devido à manifestação contra o aumento da passagem de ônibus e outras questões sociais no município de Niterói. Os ativistas ameaçaram invadir a via diversas vezes e o Batalhão de Choque foi acionado.

Somente as saídas para Avenida Jansen de Melo e Avenida Feliciano Sodré, no sentido Niterói, continuam interditadas. A CCR Barcas informou que parte do grupo invadiu a Estação Praça Arariboia. O Choque foi acionado e houve tumulto e correria no local.

Por volta das 20h30, cerca de 80 pessoas permaneciam na saída da Estação. De acordo com a PM, ninguém foi detido. Ainda não há informações sobre o número de feridos.

Por medida de segurança, a concessionária interrompeu, momentaneamente, a operação na linha Rio-Niterói. O serviço foi interrompido às 20h45 e retomado às 21h05.

A jornalista Rebecca Mello, 24 anos, saiu 20h40 do Rio e relatou que a embarcação parou cinco minutos depois e ficou estática durante 20 minutos, sem qualquer aviso do comandante. "A barca atracou 40 minutos depois. Os policiais fizeram um cordão de isolamento no local", contou.

Tumulto em manifestação

A manifestação contra o aumento da tarifa de ônibus em Niterói se dispersou em tumulto e corre-corre. O clima ficou tenso na Avenida Marquês de Paraná, principal acesso à Ponte, onde parte do grupo tentou invadir a via e foi contido pelo Choque, que lançou balas de borracha e bombas de efeito moral.

O Grupamento Aeromarítimo fez buscas na região. Outro pequeno grupo tentou virar um ônibus sem passageiros e o veículo colidiu com um carro. Parte deles voltou para as Avenidas Rio Branco e Amaral Peixoto, onde atearam fogo em uma barricada com lixo e detritos.

Manifestação em Niterói provocou até o fechamento da PonteFoto%3AAlexandre Brum / Agência O DIA

Um grupo, se dizendo apartidário, não queria que militantes do PSTU empunhassem bandeiras da legenda. Eles chegaram a se enfrentar, mas depois os ânimos se acalmaram, quando as bandeiras foram deixadas de lado.

Pessoas sem militância partidária, como a dona de casa Carmem Lúcia do Carmo, 58 anos, eram maioria: “O prefeito Rodrigo Neves, na campanha, disse que não mexeria na tarifa e aumentou o valor cinco meses depois.”

A grande maioria dos manifestantes permaneceu em frente à Câmara Municipal, onde não houve registro de tumulto com a polícia.

Devido ao clima tenso, a PRF fechou os acessos à Ponte por volta das 19h10. Na Perimetral, os veículos foram desviados para a Avenida Brasil, bem como na rampa de acesso à Ponte pela rodoviária, próximo ao Caju, na alça de acesso da Linha Vermelha à Ponte Rio Niterói e pela Avenida Brasil.

Manifestação em Niterói provoca até o fechamento da PonteFoto%3AAlexandre Brum / Agência O DIA

A cerca de 450m antes do pedágio ficou o último retorno, liberado aos poucos, em sistema Pare e Siga.

No sentido Rio, A BR-101 (Niterói-Manilha) ficou fechada na altura do Km 317 (Ilha das Flores – quartel dos Fuzileiros Navais), ponto em que é possível fazer o retorno; o acesso do viaduto do Barreto à BR 101 (altura Avenida do Contorno), onde o viaduto é usado como retorno em sentido invertido.

A partir deste ponto, os motoristas seguiram no sentido Niterói por um retorno à direita, que ficou fechado no sentido Rio, mas aberto no sentido Barreto.

Niterói anuncia redução de tarifa de ônibus

O prefeito de Niterói, Rodrigo Neves, também revogou o aumento do preço da passagem do transporte coletivo, nesta quarta-feira, baixando a tarifa de R$ 2,95 para R$ 2,75, a exemplo do prefeito Eduardo Paes, no Rio. A decisão ocorre quando milhares de manifestantes estiveram nas ruas protestando por melhores condições de transporte, entre outras demandas, nas principais vias da cidade. A decisão foi recebida com grande entusiasmo.

Mais de 10 mil pessoas participam da manifestação contra o aumento da passagem no transporte coletivo, em Niterói, nesta quarta-feira, segundo a Nittrans. Os manifestantes tomaram a Praça Araribóia, onde aconteceu a concentração, e marcharam em direção à Avenida Amaral Peixoto.

Manifestação em Niterói provoca até o fechamento da PonteFoto%3AAlexandre Brum / Agência O DIA

No segundo protesto, os participantes reivindicam a libertação de duas pessoas que foram presas no ato no Centro do Rio, na última segunda-feira, ambos estudantes da Universidade Federal Fluminense (UFF).

O trânsito ficou complicado. As vias do entorno, como as Avenidas Visconde do Uruguai, Visconde do Itaboraí, Barão do Amazonas e as ruas Alcides Figueiredo, Monte Líbano, Áurea Lima e Francisco Cruz, que estão interditadas na altura da Avenida Rio Branco, seguem com fluxo intenso. O objetivo dos manifestantes foi chegar na Câmara dos Vereadores, e em seguida, partir para o acesso à Ponte Rio-Niterói.

Para o evento, o efetivo que acompanhou o protesto é de 350 homens da Polícia Militar e 50 da Guarda Municipal, espalhados na prefeitura, Câmara Municipal e na estação das Barcas.

A prefeitura de Niterói designou uma comissão especial, coordenada pela Secretária Executiva da Prefeitura, Maria Célia Vasconcellos, desde a última sexta feira, para receber representantes da manifestação, desta quarta, sobre o sistema de transportes na cidade.

Últimas de Rio De Janeiro