Possibilidade de faltar água no Rio beneficia distribuidores

Vendas aumentaram em 20%

Por O Dia

Rio - A interrupção do fornecimento de água, para manutenção da Cedae no sistema do Guandu, preocupa a população, mas alivia muita gente. Quem trabalha com a venda do precioso líquido já começou a faturar com o medo dos moradores da Região Metropolitana de ficar com as torneiras secas. É o caso das empresas que comercializam água mineral.

A partir das 8h desta quarta, a Cedae, responsável pelo abastecimento de 9 milhões de consumidores, vai interromper, por 24 horas, o fornecimento de água ao Rio e à Baixada Fluminense. Nas pontas de rede (bairros mais distantes e altos), o sistema só será normalizado após 72 horas. A parada de geração de 43 mil litros de água potável por segundo é necessária para a manutenção preventiva na Estação de Tratamento Guandu.

Gilson Nunes da Silva%2C gerente de produção e qualidade da fábrica de água Santa Cruz%2C aumentou a produção assim que foi divulgada a informação de parada no abastecimentoCarlo Wrede / Agência O Dia

Nesta terça-feira, empresas como a Santa Cruz, em Água Santa, trabalhavam no limite da produção. “A procura subiu 20% nos últimos dias. Agora estamos engarrafando 60 mil litros de água mineral por dia. Tivemos que contratar mais oito funcionários urgentemente”, comentou o gerente de produção e qualidade da fábrica, Gilson Nunes da Silva, de 47 anos.

No Centro de Tradições Nordestinas, em São Cristóvão, os comerciantes estocam água desde o início da semana. “Estou vendendo pelo menos 500 galões de 20 litros por dia na Feira de São Cristóvão, 150 a mais que na semana passada”, ressalta José Marinho, de 50 anos.

Em várias localidades, como na Estrada do Engenho, na altura do número 350, em Bangu, moradores já se queixavam ontem de falta d’água. Alguns conseguiram armazená-la tonéis de plástico. “Eu e meus vizinhos vivemos penando com falta d’água.”, lamentou o atendente de farmácia Jorge de Souza, de 58 anos. Ela conseguiu guardar 500 litros de água no quintal de casa, na Rua Cruz e Souza, no Encantado.

Jorge de Souza armazenou 500 litros de água em casaCarlo Wrede / Agência O Dia

Próximo dali, na Rua Borja Reis, a situação é ainda mais grave. “Há um mês o abastecimento não é regular. Meu pai, que está recém-operado, é o que mais sofre. Busco água em galões na casa de amigos em outros bairros”, disse o eletricista Alexandre Campos. Em nota, a Cedae informou que existem “problemas pontuais” na distribuição e que todos os bairros estavam abastecidos.

Corrida ao caminhão-pipa

A possibilidade de desabastecimento também fez condomínios, hospitais e escolas particulares a recorrerem a empresas de caminhões-pipa. A procura, segundo algumas firmas do setor, chegou a mais de 50% nesta terça-feira. A reportagem entrou em contato com cinco delas e constatou o abuso na cobrança pelo serviço, que ontem variava entre R$ 450 e R$ 800, por dez mil litros de água.

Ano passado, O DIA denunciou a cobrança exagerada, que, em alguns casos, chegava a R$ 5 mil. Na ocasião, a denúncia levou o Procon a multar dezenas de fornecedoras. A Cedae informou, por meio de nota, que cobra R$ 73,23 dos pipeiros para cada 15 mil litros de água, em todos os pontos de abastecimento da concessionária.

Oito funcionários foram contratados na empresa Santa Cruz para dar conta do trabalhoCarlo Wrede / Agência O Dia

Cedae garante tranquilidade

O presidente da Cedae, Wagner Victer, tranquilizou a população, garantindo que, apesar de complexa, a operação de hoje foi pla nejada há seis meses. Tudo para garantir o sucesso da manutenção, visando maior oferta e qualidade da água para o verão. Além disso, a empresa vai usar três mil funcionários para executar os serviços, quase quatro vezes mais que o número empregado nos mesmos serviços preventivos ano passado.

“Tudo fui muito bem planejado para que os riscos de haver possíveis falhas sejam minimizados ao extremo”, afirmou Victer, lembrando que em 24 horas mais de 100 tarefas serão executadas dentro da ETA Guandu e nas adutoras e elevatórias. Túneis que levam água para a Zona Sul e Centro também serão inspercionados.

Últimas de Rio De Janeiro