Polícia busca funcionário do Degase sequestrado após rebelião

Agentes do 14º BPM procuram Israel Nunes, que trabalha no Educandário Santo Expedito e teria sido feito refém

Por O Dia

Rio - Um funcionário do Educandário Santo Expedito, instituição dentro do Departamento Geral de Ações Socioeducativas (Degase), é procurado por policiais militares do 14º BPM, nesta quarta-feira, no Morro do Saná 48, no Rio da Prata, em Bangu, Zona Oeste do Rio. Identificado como Israel Nunes, o homem foi sequestrado por traficantes e levado para a comunidade, nesta terça-feira, após rebelião no centro educacional para menores apreendidos, segundo informações do Sind Degase (Sindicato do Departamento Geral de Ações Socioeducativas).

Também de acordo com o Sind Degase, aproximadamente às 18h, Israel foi libertado depois que os criminosos descobriram que a PM fazia buscas na comunidade para encontrar o homem. Mais tarde, por volta das 19h, a assessoria da Polícia Militar confirmou que o homem foi libertado.

Internos do Educandário Santo Expedito fizeram rebelião na unidade de Bangu nesta sexta-feira%3B PMs cercaram o localWhatsApp O DIA (98762-8248)

Deputadas fazem visita ao Degase no dia seguinte da rebelião

As deputadas estaduais Tia Ju e Danielle Guerreiro, presidente e vice-presidente, respectivamente, da Comissão de Assuntos da Criança, do Adolescente e do Idoso, da Alerj, estiveram, nessa quarta-feira (25), no Educandário Santo Expedito, do Departamento Geral de Ações Socioeducativas (Degase), em Bangu, zona oeste do Rio de Janeiro, para verificar a situação da unidade após a rebelião de um grupo de menores, que chegaram a atear fogo em algumas dependências da unidade socioeducativa. Um grave problema constatado foi o número de 314 menores para 17 agentes.

Segundo dados da Coordenadoria dos Direitos da Criança e do Adolescente (Cdedica) da Defensoria Pública Geral do Estado, o Educandário estaria acima do parâmetro legal de internação. De acordo com o Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase), a capacidade máxima deveria ser de 90.

"Estamos aqui para entender a real situação dos adolescentes e dos agentes. Sabemos das dificuldades dos profissionais envolvidos. O sistema continua com problemas de superlotação. Se a ação for conjunta, o resultado virá mais rápido", enfatizou a deputada Tia Ju.

"O nosso papel não é de cobrança. Queremos estar perto da unidade. Estamos atrás de esclarecimentos. Fomos eleitas para isso", observou a deputada Daniele Guerreiro.

Cesar Sucupira, diretor do Educandário Santo Expedito, ressaltou que contou com o comprometimento dos servidores para conter a rebelião.

"Os 17 agentes precisaram de muita habilidade para conter os 41 menores envolvidos na rebelião. Foram registrados dois jovens com ferimentos leves", relatou.

Participaram ainda do encontro Alexandre Lessa, corregedor; Cristiane Zeitone, coordenadora de saúde; Carmen Amarantes, ouvidora; e Aldemir da Silva, vice-presidente do Sind-Degase.

Internos que teriam feito rebelião na unidade do Degase%2C em Bangu%2C foram contidos por agentes do Grupamento de Intervenção Tática da SeapWhatsApp O DIA (98762-8248)

Menores fazem rebelião em educandário 

Menores apreendidos no Educandário Santo Expedito, em Bangu, fizeram nesta terça-feira uma rebelião, que era considerada uma ação anunciada, segundo o presidente do Sind Degase (Sindicato do Departamento Geral de Ações Socioeducativas), João Luiz Pereira Rodrigues.

Com camisas na cabeça e estoque (arma feita com vergalhão), os menores se concentraram em cima do telhado da unidade, que está superlotada. O motim começou com uma tentativa de fuga. Cerca de 310 jovens cumprem medidas socieducativas no local, mas a capacidade, se for considerada a legislação, é para 90. Além da falta de infraestrutura e péssimas condições dos alojamentos, não há efetivo de agentes suficiente. Durante a ação, quatro religiosos foram feitos reféns, e, depois, libertados sem ferimentos.

O motim foi controlado, no início da noite, pelo Grupamento de Intervenção Tática (GIT), da Secretaria de Administração Penitenciária. Segundo informou um agente, a confusão começou após menores da galeria A, que seriam ligados ao Comando Vermelho, tentarem fugir. Eles agrediram um agente com estoque e foram para o telhado. De lá, parte foi para a galeria onde estariam adolescentes supostamente ligados à Amigos dos Amigos e ao Terceiro Comando. “O grupo dessas facções colocou fogo nos colchões para evitar que a turma do CV chegasse. Quando perceberam que a unidade estava cercada, voltaram ao telhado e depredaram carros dos funcionários”, contou uma agente.

Para o presidente do Sind Degase, o ideal, de acordo com o Sistema Nacional de Atendimento Socieducativo (Sinase), seria que um agente ficasse responsável por cinco menores. No entanto, a realidade do Santo Expedito está longe da adequada: “Se tivermos 15 é muito”. O Centro Educacional Gildo Cândido da Silva, na unidade, teve equipamentos destruídos e seis alojamentos danificados. O Degase informou, por nota, que não houve feridos ou fuga e esclareceu que “os adolescentes que se envolveram no tumulto serão encaminhados à delegacia para a realização de registro de ocorrência”.

Pelo WhatsApp do Dia (98762-8248), internautas enviaram imagens da rebelião. no Twitter, há relatos do tumulto e até de bombas de efeito moral que teriam sido usadas pelos agentes para dispersar os internos da unidade.

Defensora pediu interdição em 2005

A defensora pública Eufrásia Maria Souza das Virgens, que atua na Coordenadoria de Defesa dos Direitos da Criança e Adolescente, no Rio, disse que, em 2005, o órgão entrou com uma Ação Civil Pública pedindo que o estado interditasse o Santo Expedito, por ser inapropriado para abrigar menores em conflito com a lei.

“Já teve sentença, mas o estado recorreu. Há um agravo com recurso extraordinário que está sendo apreciado pelo ministro Luiz Fux, do STF. Essa unidade fica no sistema penitenciário, em Bangu. Não atende os parâmetros da lei”, explicou ela.

A Defensoria vai reiterar junto à Vara da Infância e Juventude que os adolescentes do Santo Expedito que não tenham cometido ato infracional com violência sejam transferidos para programa de meio aberto. O objetivo é diminuir pelo menos o quadro de superlotação. Com isso, eles seriam colocados em liberdade assistida.

Últimas de Rio De Janeiro