Criança é libertada de cárcere

Tio manteve sobrinho de 5 anos trancado, nu e subnutrido em banheiro de casa no município de Belford Roxo por um mês

Por O Dia

Rio - "Quando o encontramos, vi nos olhos dele a sensação de alívio. É como dissesse: ‘estou salvo’. Choca qualquer um”. O desabafo é do conselheiro tutelar de Belford Roxo Paulo Patrocínio, que junto de outros dois agentes resgatou um menino de 5 anos trancado no banheiro da casa de um tio por pelo menos um mês, no bairro de Barro Vermelho, em Belford Roxo, na Baixada Fluminense. A criança foi encontrada na quarta-feira em estado de subnutrição e com muitos machucados pelo corpo, principalmente na cabeça. O acusado deve responder pelo crime de tortura. Quatro testemunhas serão chamadas para prestar depoimento esta semana na 64ª DP (Vilar dos Teles).

“Encontramos a criança sozinha e deitada no chão. Dentro do vaso sanitário havia uma caneca rosa, dando indício de que ele bebia água dali. Deveria estar se alimentando até de fezes e baratas. Cena deplorável”, lembrou Paulo Patrocínio.

Ainda segundo ele, o banheiro onde estava o menino não tinha maçaneta e uma porta de ferro teve que ser arrombada. A criança ainda estava sem roupa no local.

Vizinhos denunciaram o caso ao Conselho Tutelar, que fez o resgate com apoio de policiais militares do 21° BPM (São João de Meriti). Após ser resgatado, o menino foi medicado e encaminhado ao Abrigo Solidariedade de Heliópolis, em Belford Roxo.

Conselheiros contaram ainda, que a criança não conseguia falar e apenas se comunicava através de gestos.

Debilitado, desidratado e faminto, assim que foi encontrado, a criança foi alimentada por vizinhos com iogurte e água. Ele estava sozinho na casa, que tem apenas quatro cômodos. O tio, que não teve o nome divulgado pela Polícia Civil, foi preso horas depois do resgate e por pouco não foi agredido pelos moradores, que revoltados, hostilizaram o rapaz. PMs tiveram que intervir.

“Ele estava tão debilitado que parecia uma criança de 2 anos. Franzino, magrinho, parte o coração ver uma cena dessa”, afirmou Patrocínio, que em seu Conselho Tutelar recebe diariamente entre quatro a seis denúncias de maus-tratos em Belford Roxo. Na maioria deles, conflitos entre familiares.

De acordo com o Conselho Tutelar, a tia do garoto o pegou para criar depois que o pai dele morreu. Ela não foi encontrada na casa no momento em que ele foi resgatado. A mãe, segundo informações de vizinhos, teria problemas psiquiátricos. O inquérito instaurado na delegacia de Vilar dos Teles, quando for concluído, será enviado ao Ministério Público, que decidirá o destino da criança. 

Últimas de Rio De Janeiro