Estagiário vai ganhar mais que soldado na Polícia Militar do Rio

PM abre vaga para universitário com salário maior que o de militar em início de carreira

Por O Dia

Rio - Em tempos de crise econômica e contenção de gastos do governo, a Polícia Militar do Rio está oferecendo uma vaga de estágio bem atrativa: o escolhido para trabalhar no Escritório de Gestão de Projetos do Estado-Maior da corporação irá receber R$ 2.400 para dar expediente apenas no período da manhã. O valor é maior que o recebido por PMs em começo de carreira, com vencimentos entre R$ 1.500 e R$ 2.000. É também superior ao previsto para aprovados em concurso, ainda em andamento, que pagará inicialmente cerca de R$ 2.300 após o treinamento no curso de formação de soldados.  

Associação de Praças criticou alto salários para estagiáriosEstefan Radovicz / Agência O Dia

A vaga é nova na PM e se destina a estudantes de qualquer período de Ciências Sociais ou Relações Internacionais. Deseja-se apenas conhecimentos dos “pacotes básicos de computação” e “interesse na área de gestão pública”. O estagiário trabalhará quatro ou seis horas por dia, após processo seletivo que levará em conta apenas o currículo do candidato e entrevista com o gestor.

Em nota, na quarta-feira, a PM informou que “os critérios para preenchimento das vagas de nível médio e superior estão sendo definidos". Ainda segundo a corporação, "tão logo os requisitos sejam definidos haverá divulgação para o processo seletivo". Após a publicação da reportagem, a assessoria de comunicação da instituição enviou nova nota negando que haja vagas para estagiários. Entretanto, O DIA teve acesso a emails da corporação, com anúncio das vagas, que foram encaminhados aos departamentos responsáveis por estágios de universidades do Rio de Janeiro. 

Presidente da Associação de Praças da PM, Vanderlei Ribeiro considerou alto o salário dos estagiários e defendeu mudanças. “Esse tipo de estágio é bom para o aluno apenas financeiramente. Por que a PM, que precisa se reestruturar, paga um valor desses?”, questionou. 

Últimas de Rio De Janeiro