Chefe de Polícia Civil diz que DH vai investigar autos de resistência no Rio

Ocorrências anteriores à farsa da Providência também serão apuradas pela Divisão de Homicídios

Por O Dia

Rio - Os casos de autos de resistência passarão a ser investigados pela Divisão de Homicídios (DH), disse nesta quinta-feira o chefe da Polícia Civil, delegado Fernando Veloso. Também serão investidas pela DH ocorrências anteriores ao episódio do Morro da Providência em que PMs foram filmados forjando provas de confronto com um menor de 16 anos morto.

A medida, contudo, não tem data para começar a valer. Segundo Veloso, as delegacias de homicídios têm estutura melhor do que as especializadas para apurar crimes cometidos por policiais.

"O que tentamos fazer é que as DH's assumam as investigaçes em mortes em decorrência de ação policial. Isso é uma decisão que ja foi tomada na polícia civil. A divisão vai passar a assumir todos esses casos. É preciso estrutura necessária para fazer isso sem comprometer o padrão do trabalho da DH", explicou.

FRAUDE NA PROVIDÊNCIA

Nesta terça-feira, o adolescente Eduardo Felipe Santos Victor, de 17 anos, em suposto confronto no Morro da Providência, no Centro do Rio. Um vídeo gravado por testemunhas e enviado ao WhatsApp do Dia mostra policiais militares alterando a cena do crime e colocando uma arma nas mãos do rapaz para simular um auto de resistência, conforme registro inicial na 4ª DP (Praça da República).

Agentes da Polícia Civil receberam o vídeo e retornaram à comunidade para encontrar o PM responsável pelo registro. Além da fraude processual, a Polícia Civil também investiga o homicídio. Esta parte da investigação está a cargo da Divisão de Homicídios. Dois fuzis de policiais da guarnição foram apreendidos e passarão por perícia.

Últimas de Rio De Janeiro