MP cria força-tarefa contra empresas fraudadoras do pagamento de impostos

O trabalho começa hoje numa reunião entre o procurador-geral de Justiça, Marfan Vieira, o chefe da Casa Civil, Leonardo Espínola, e o secretário de Fazenda, Julio Bueno

Por O Dia

Rio - O Ministério Público Estadual vai criar uma força-tarefa para acelerar processos criminais contra empresas que fraudam o pagamento de impostos. O trabalho vai começar nesta quinta-feira numa reunião entre o procurador-geral de Justiça, Marfan Vieira, o chefe da Casa Civil, Leonardo Espínola, e o secretário de Fazenda, Julio Bueno.

Os representantes do governo passarão a entregar ao MP informações que facilitem os processos. A falta de pagamento de impostos por empresas é uma das maiores queixas de Pezão.

Abrir caminhos

Depois de retirar de seu gabinete um quadro de Antônio Parreira que traria má sorte, Pezão apela para religiões de matriz africana. Assinou lei que institui o 13 de junho como Dia de Ogum Xoroquê. No candomblé e na umbanda, o orixá, que tem características de Ogum e de Exu, é conhecido por abrir caminhos.

Virada de copo

Muita gente não acreditou que equipes da Lei Seca trabalhariam na virada do ano — o resultado é que o índice de motoristas alcoolizados entre todos os que foram parados chegou a 12%. O percentual é bem superior à média de autuações em dias comuns, que fica em torno de 7%.

Já foi pior...

A combinação de álcool e volante em réveillons passados já foi maior: 15% na chegada de 2014 e 13% na primeira madrugada de 2015. Em 2009, no início das operações, a média de flagrantes em dias comuns era de 20%

Acidentes

A prefeitura teme atropelamentos no início da operação do VLT, já que os bondes são muito silenciosos. Os veículos terão buzinas — o problema é saber se o alerta despertará pedestres que caminham com olhos grudados nos celulares.

Super o quê?

Proprietários do domínio de imóveis foreiros à prefeitura que não pagaram as taxas de 2015 vão ter que se virar para ficar em dia com o município. A guia vencida informa que será necessário requisitar um novo boleto numa tal de “Supertintendencia” de Patrimônio.

Limite 1

A Justiça Eleitoral fixou em R$ 14.846.118 o valor que cada candidato a prefeito do Rio poderá gastar no primeiro turno da campanha. Isto representa 70% do gasto máximo de um postulante ao cargo em 2012. A inflação dos últimos quatro anos será utilizada para reajustar a quantia.

Limite 2

A campanha de cada candidato a vereador terá que custar até R$ 1,046 milhão. Mas, com o fim das doações de empresas, não vai ser fácil obter a grana.

Últimas de Rio De Janeiro