História e poesia na Rocinha

Ela queria, mas não conseguia contar sobre sua vida por causa do analfabetismo. Lindacy escreve sobre a vida na comunidade

Por nicolas.satriano

Rio - Com uma trajetória de vida parecida à da poetisa negra Carolina Maria de Jesus, Lindacy Menezes, de 57 anos, escreve sua própria história na Rocinha, onde vive há 37 anos. Abandonada pela mãe, criada por uma prostituta e doméstica desde os 10 anos, ela queria, mas não conseguia, contar sobre sua vida por causa do analfabetismo.

Até que, há três anos, enquanto se arrumava para ir à casa de uma das patroas, sua vida começou a mudar. “Vi na TV que as inscrições para a Feira Literária das Periferias (Flupp) estavam abertas e resolvi arriscar.” Com a ajuda da filha até aprender a usar o temido computador, ditava os trabalhos para ela digitar. “Vi gente de favela quando cheguei na Flupp, mas eram letrados. Pensava: ‘Estou no lugar errado’.” A sensação passou na medida em que seus textos se revelavam — e eram aclamados pelos novos amigos.

Abandonada pela mãe e criada por uma prostituta e doméstica%2C ela queria%2C mas não conseguia%2C contar sobre sua vida por causa do analfabetismoPaulo Araújo / Agência O Dia

Agora poetisa assumida, Lindacy, com três coletâneas nas costas, prepara o lançamento de seu primeiro livro, este ano: “Pedras/A vida nos escolhe/Planeja, o nosso futuro, se alinha/No nosso presente/Escolhe, o nosso destino! Nada sabemos do amanhã, tudo pode/Acontecer quando a vida, não é vivida.” Boa sorte, poeta.

Faltam dois metros para que suas ruas fiquem totalmente asfaltadas no VidigalFabio Gonçalves / Agência O Dia

O mural do Galo

Comandante do time que grafitou o Túnel Velho, entre Copacabana e Botafogo, em homenagem aos 450 anos do Rio, ACME e sua equipe reformaram os grafites das casas-tela do Cantagalo e Pavão/Pavãozinho. Oito das 27 obras feitas nas fachadas de residências foram restauradas. O circuito é uma das maiores atrações da favela, no coração da Zona Sul.

Vidigal asfaltado

O Vidigal anuncia: faltam dois metros para que suas ruas fiquem totalmente asfaltadas. A conta só não fechou ontem porque técnicos da Secretaria Municipal de Obras erraram na quantidade de asfalto no acesso ao Arvrão. “É reivindicação de 20 anos”, diz Marcelo da Silva, presidente da Associação de Moradores. “Idosos e cadeirantes foram beneficiados.”

Flupp na Babilônia

A favela da Babilônia, no Leme, será a sede da próxima Flupp, a Feira Literária das Periferias. E o pontapé inicial do evento, que começa com encontros mensais, será dia 1º de março. “Estaremos também na Baixada e Niterói”, conta Júlio Ludemir, um dos criadores do projeto. Para ele, buscar outras Lindacys é o mais importante. “O grande material literário está na vida.”

Salgueiro Black

Os organizadores do baile Salgueiro Black Music têm mais um motivo para bombar a festa de amanhã, a partir das 17h, na quadra da comunidade: eles foram um dos 40 vencedores do Favela Criativa, da Secretaria Estadual de Cultura, faturando R$ 50 mil. Esta será a quarta edição do baile, que confirma a ascensão do ritmo nas favelas a partir do Black Santa, no Prazeres.

Favela criativa é 'política pública', diz Eva

Secretária estadual de Cultura, Eva Doris Rosenthal classificou como histórica a premiação de 40 produções na primeira Feira Favela Criativa, anunciada anteontem. “No momento em que você incorpora trabalho através da indústria criativa, o ganho é enorme”, disse ela à coluna. “Estamos fazendo a economia girar e criar empregos nas favelas”. Cada um dos vencedores receberá R$ 50 mil. A secretaria oferece ainda consultoria sobre onde aplicar o dinheiro. “É uma política pública, e não assistencialista. Não vamos abandoná-los.”

Agenda

Teatro no Centro
'Histórias de Medo’, às 15h, e ‘Cripta de Poe’, às 18h, estão em cartaz neste fim de semana na Biblioteca-Parque Estadual, no Centro. Distribuição de senhas uma hora antes.

Vila Kennedy
O Sesc faz ação social hoje, a partir das 15h, na Praça Dolomitas, no conjunto habitacional. Em pauta, orientações sobre saúde com atividades culturais e esportivas.

O berço
A Obra O Berço, que fica na Lagoa e acolhe 100 crianças, convoca os cariocas a ajudar a manter a sua creche, de seis meses a seis anos, com trabalhos voluntários.

Manguinhos e Rocinha
A Biblioteca-Parque de Manguinhos recebe hoje, às 15h, o projeto ‘Quanta Energia’, da Light, com curiosidades sobre a eletricidade. Domingo será a vez da Rocinha, às 14h e 16h.

Últimas de _legado_Rio sem Fronteiras