Brasileiro prova que é bom de garfo

Culinária nordestina faz sucesso na Baixada Fluminense

Por O Dia

O brasileiro definitivamente sabe apreciar uma boa comida. Prova disso é que aumentou o número de pessoas que se alimentam fora de casa, um crescimento de 10%. O setor gera cerca de 450 mil novos empregos a cada ano, segundo estudo da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel).

A pesquisa não tem dados específicos sobre o setor no estado do Rio ou na Baixada, pois, segundo Vera Peixoto, Executiva de Relacionamento e Projetos da instituição no Rio de Janeiro, 65% dos comerciantes vivem na informalidade neste ramo que representa 2,7% do PIB, com mais de um milhão de trabalhadores contratados. “A Ambev, Abrasel e o Sebrae tentaram traduzir em números esse universo, mas ainda persiste um grande obstáculo: a cultura de negócios familiares sem regulamentação. Então, é comum o comerciante achar que vai ter muito imposto para pagar e aí prefere ficar de fora”, explica.

Independentemente da regularização dos comerciantes do setor, o morador da Baixada gosta de comer bem. E uma das culinárias que faz muito sucesso é a nordestina. A maior referência do estado é a Feira de São Cristóvão, que desde 1945 é o mais importante polo da cultura do Nordeste no Rio de Janeiro.
O gerente gráfico Renato Ferreira, 49, não abre mão de um bom prato típico. “Fui criado à base de baião de dois e da carne de sol. É tradição na minha família”, conta.

Irmãos Evangelista trazem um pouco do Nordeste para os lados de cá RENATO FONSECA


O chefe de cozinha Raimundo e o irmão Antônio Evangelista, dono do restaurante Berrante (Av. Abílio Augusto Távora 4.505, Valverde, Nova Iguaçu, tel.: 3794-3059), são cria da feira de São Cristóvão. Raimundo inclusive foi responsável pelo cardápio de restaurantes no polo em São Cristóvão.“A culinária nordestina tem sabor único e requer conhecimento de causa e produtos vindos do Nordeste, como farinha d’água e palhetas de carneiro e de cabrito”, ressalta.

No Berrante, o baião de dois com carne de sol, por exemplo, sai a R$ 46,95. Outro prato muito apreciado é o Roupa Velha, que mistura as culinárias mineira e nordestina. Este custa R$ 59,99. As porções servem duas pessoas.

Últimas de _legado_O Dia na Baixada