Paes afirma que não faltou diálogo com moradores da Vila Autódromo

Na manhã desta terça-feira, algumas casas foram demolidas no local, inclusive de Maria da Penha, uma das lideranças

Por O Dia

Rio - Durante uma entrevista coletiva, na tarde desta terça-feira, no Centro de Operações, o prefeito do Rio, Eduardo Paes, afirmou que não faltou diálogo com os moradores da Vila Autódromo, na Zona Oeste. Pela manhã, ocorreram demolições de casas no local, inclusive de Maria da Penha, uma das lideranças da região. "A maior parte dos casos de moradores que querem continuar lá é porque não chegamos a um valor. Eles queriam receber um valor muito alto", contou.

Segundo Paes, 275 das 824 famílias que vivem atualmente no local precisariam sair de suas residências. Ele calculou ainda que 268 delas já saíram e sete famílias ainda precisam ser removidas, já que têm casas na área de construção onde será a via de acesso ao Parque Olímpico.

Vila Autódromo tem sido palco de demolições pleiteadas pela Prefeitura do Rio. Local fica ao lado do Parque Olímpico 2016Foto%3A Rio on Whatch

Além disso, o prefeito afirmou que não faltou conversa com Maria da Penha e seu marido Luiz Cláudio. "O casal estabeleceu o Monsenhor Luís Antônio, que dirige a Pastoral das Favelas ligada à igreja católica como interlocutor do processo", contou o prefeito.

LEIA MAIS: No Dia Internacional da Mulher, Maria da Penha tem casa demolida na Zona Oeste

A Vila Autódromo que tem sido palco de demolições fica ao lado de um grande complexo que concentra boa parte das instalações dos jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016. A remoção das casa tem sido pleiteada pela prefeitura desde o início das obras para a competição.

Uma equipe do Núcleo de Terras e Habitação (Nuth) da Defensoria Pública do Estado segue, nesse momento, para a Vila Autódromo para acompanhar o caso. Na semana passada, a Defensoria havia conseguido uma liminar que garantia a manutenção do imóvel. 

Últimas de Rio De Janeiro