Estudantes se enfrentam para forçar desocupação em escolas estaduais

Grupos contrários à ocupação invadiram a Escola Prefeito Mendes de Moraes, na Ilha, e a Paulo Freire, no Cachambi

Por O Dia

Rio - A primeira escola estadual a aderir o movimento ‘Ocupa Já’, a Prefeito Mendes de Moraes, na Ilha do Governador, há um mês e meio, foi invadida nesta sexta-feira pelos alunos da manifestação ‘Desocupa Já’. Estudantes que já estavam na unidade denunciaram nas redes sociais que teriam sido agredidos pelo outro grupo, ao forçar a entrada na escola. A informação foi negada pelo alunos do ‘Desocupa já’.

Na página do Facebook, os jovens contrários à paralisação postaram que o colégio já estava desocupado, o que foi desmentido pela página “Ocupa Mendes”, que explicou que a ocupação irá continuar. A Escola Estadual Paulo Freire, no Cachambi, também foi invadida pelo mesmo movimento que quer o fim das ocupações.

Ocupado há mais de um mês%2C o Mendes de Moraes%2C na Ilha%2C foi invadido por grupos que querem voltar a estudarAlexandre Brum / Agência O Dia

“Não desocupamos nem iremos desocupar. Ocupa Mendes resiste, primeira escola a ocupar e a ultima a desocupar!”, postaram nas redes sociais. Segundo Renato Brandão, militante da União dos Jovens Socialistas, que esteve presente na invasão, a escola não foi desocupada. “Agentes do Ministério Público estão negociando com alunos tanto do Desocupa quanto do Ocupa”, disse.

Fabíola Loguércio, da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes), disse que o ‘Desocupa’ é influenciado pela Secretaria Estadual de Educação. Já a Seeduc acredita que o movimento ‘Ocupa’ tem participação do Sindicato dos Profissionais de Educação (Sepe). “Eles tentam colocar o estudante contra estudante”, explicou Fabíola. “Existe uma preocupação em relação a aulas e reposição. Mas também temos a questão de que não queremos aulas na mesma escola, e sim em uma nova. Com uma nova estrutura”, acrescentou. “Não temos prazo para desocupação. Queremos que o secretário converse conosco para que possamos apresentar nossas pautas”, finalizou Fabíola.

Foi marcada reunião terça-feira, às 14h, com estudantes dos dois movimentos e o secretário Antonio Neto. Até o momento, apenas cinco escolas foram desocupadas: Cieps 175 e 179, em São João de Meriti, Colégio Estadual Barão de Aiuruoca, em Barra Mansa, Barão de Macaúbas, em São Fidélis e Dom Pedro II, em Petrópolis. Outras 71 escolas seguem ocupadas.

?Reportagem da estagiária Carolina Moura

Últimas de Rio De Janeiro