Pastor Felipe Heiderich se defende em vídeo contra acusações de pedofilia

'Este pecado não está nas minhas mãos', insistiu o religioso. De acordo com ele, sua inocência está praticamente provada

Por O Dia

Rio - O pastor Felipe Heiderich divulgou um vídeo na tarde desta quarta-feira para se defender das acusações de pedofilia contra o enteado de 5 anos, filho da pastora Bianca Toledo. Em prisão domiciliar após deixar o complexo penitenciário de Bangu, na madrugada do último domingo, o religioso apareceu de cabelo raspado e afirmou categoricamente: "Este pecado não está nas minhas mãos". Ele se disse confiante sobre sua defesa e falou que não desistir de lutar na Justiça. "É um momento de ser forte para ficar de pé para provar a minha inocência que já está praticamente estabelecida". O vídeo foi publicado no canal do YouTube do pastor (veja abaixo). 

"Sempre achei que todo mundo era inocente até que se provasse o contrário, mas o que vivi nos últimos dias é que todos são culpados até que se prove o contrário", afirmou Heiderich. "Fiquei em choque com tudo que foi dito a meu respeito. Até dia 12 estava em família, feliz, ministrando na igreja", falou ele. Em seguida, começou a descrever sobre o quanto se dedicou a criar com amor o enteado.

Pastor Felipe Heiderich apareceu em vídeo na web com visual bem diferente do que seguidores estavam acostumados Reprodução Youtube

O pastor afirmou que sofreu um choque quando Bianca anunciou que tinha descoberto que ele era "homossexual e pedófilo" e queria a separação. No vídeo ele conta que tentou contestar, mas ela não quis ouvir. "Peguei dois vidros de rivotril. Um estava pela metade. Não que eu quisesse me matar, mas eu queria dormir. Só que quando funcionários de casa chegaram e me viram muito sonolento e viram o frasco de remédio pensaram que fosse suicídio e me levaram para a UPA do Lourenço Jorge"

De acordo com ele, no laudo da UPA constava que o paciente havia ingerido rivotril estava sonolento, mas estava cooperativo. Ele pediu para ser encaminhado para o hospital Vitória, que já conhecia, mas que acabou levado para uma clínica psiquiátrica contra sua vontade. Lá foi dopado, "tratado como louco" durante oito dias e só conseguiu sair "resgatado pela mãe". Segundo Felipe, o laudo da clínica, mostrado rapidamente na tela de um smartphone mostra que Bianca Toledo foi quem o internou.

Suspeito de abuso sexual, pastor Felipe Heiderich deixa prisão

Após denúncia, Bianca Toledo diz que vai se dedicar só ao filho por um tempo

Segundo Felipe, o que viveu na clínica "foram dias de terror". Ele conta que foi tratado como louco. "Bianca levou um advogado na clínica e me ameaçou pedindo a anulação do casamento ou um divórcio consensual abrindo mão de tudo", afirmou o pastor no vídeo. Em seguida, ele conta que negou pois queria "orar para mostrar que tudo não passava de um "engano"

"A Justiça também não quis ouvir o meu lado e declarou minha prisão imediata por pedofilia. Lá na roça a gente aprende que quem não deve não teme. Então na segunda-feira de manhã cedo fui à delegacia prestar depoimento. Dei a minha versão. Expliquei tudo. Entreguei meu computador, meu telefone e disse para a Justiça investigar a minha vida", afirmou.

No fim do vídeo, o pastor lamenta que tenha ficado conhecido como pedófilo e avergonha que causou para a família e a igreja. "Meu rosto rodou o mundo como pedófilo. Sofri as penalidades da prisão", afirmou. Mas também disse que "todos os dias fizeram cultos na prisão e no último dia fui aplaudido pelos presidiários e policiais".

Últimas de Rio De Janeiro