Vídeo mostra PMs xingando homens no Rio

Um dos policiais aparece ainda apontando uma arma para a dupla. Imagens serão analisadas pela Corregedoria da Polícia Militar

Por O Dia

Vídeo mostra policiais xingando homens no RioReprodução Vídeo

Rio - A Corregedoria da Polícia Militar vai analisar um vídeo que está circulando nas redes sociais onde dois homens são abordados com truculência por um PM, em frente ao Hospital Estadual Azevedo Lima, no Fonseca, em Niterói. A polícia não informou quando o fato aconteceu. Além do uso excessivo da força, o policial ainda xinga os jovens após perceber que está sendo filmado através de um celular por um deles.

No vídeo, um rapaz filma o irmão sendo abordado. Bastante agressivo, o PM pede o documento e diz que está prendendo o homem por desacato. Demonstrando muito nervosismo, o militar chama um dos rapazes de ‘merda’. “Vou chamar você de merda te gravando. Para todo mundo ouvir”, diz o policial com um celular nas mãos. Ele ainda tenta, de forma abusiva, tomar o celular do jovem, que é xingado. 

?Para assistir ao vídeo, clique aqui

O PM ainda dá uma gravata no homem que estava fazendo a filmagem e o militar pede para algemá-lo e um outro policial aponta o fuzil para o seu rosto.

De acordo com o comandante do 12º BPM (Niterói), coronel Fernando Salema, nenhuma denúncia contra os policiais foi feita. Para o coronel da Polícia Militar Paulo César Lopes, conhecido como ‘linha dura’, os militares quebraram o protocolo de abordagem, que segundo ele existe desde a década de 1980.

“Não se deve abordar em inferioridade numérica. Havia outras pessoas próximas e deveriam chamar o reforço. Não se bate boca por estar sendo filmado. Jamais podem confundir rigor com truculência. Houve um crime de injúria” , criticou.

Segundo o diretor da Associação Brasileira de Profissionais de Segurança, Vinicius Domingues, é preciso analisar o vídeo com cautela. “A filmagem é parcial, não mostra o que originou essa confusão. Ficou claro que a filmagem tinha interesse de tirar o policial do sério, que há indício de má fé. Mas errou ao xingar o rapaz. Foi uma guerra de nervos”, disse

Últimas de Rio De Janeiro