Policiais do Choque abandonam cerco e se juntam a manifestantes

Em frente a Alerj, servidores de segurança realizavam manifestação contra o pacote de 'maldades' proposto pelo governo do estado

Por O Dia

Rio - Um vídeo publicado no Facebook mostra dois militares do Batalhão de Choque (BPChoque) que participavam do cordão de isolamento do Palácio Tiradentes, sede da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), na Rua Primeiro de Março, abandonando o cerco para se juntar aos policiais contrários ao pacote de cortes do governo do estado.

"Esses dois policiais da Choque, que estavam no front, com escudos abandonaram o posto e resolveram voltar no sentido contrário, sendo ovacionados pela população", contou o universitário responsável pelas imagens. A gravação feita por Julio Trindade, 27 anos, aluno de jornalismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), já foi vista por mais de 130 mil usuários da rede social.

Policial militar abandonou cerco para se juntar a manifestantesReprodução Facebook / Julio Trindade

A atitude dos militares foi aplaudida no Facebook. "Atitude como desses heróis não são fáceis", dizia um dos comentários.  Em nota oficial, a Polícia Militar informou que os policiais não foram presos. No entanto, extra-oficialmente, PMs alegavam que eles tinham sido detidos administrativamente por até 72 horas.

Teoricamente, a dupla não pode ser considerada desertora e responderia por recusa à Obediência. Caso sejam condenados, a pena é de um a dois anos de detenção. O Ministério Público ouviu manifestantes agredidos no ato nesta quarta-feira.

Um gabinete de crise no Quartel-General da corporação vai avaliar a atuação da PM na manifestação e vai analisar ainda quais os tipos de inquéritos serão abertos pela Corregedoria.

Reportagem dos estagiários Luana Benedito e Lucas Cardoso. Colaborou Adriana Cruz

Últimas de Rio De Janeiro