Crivella prevê ano de crise e vai cortar secretarias

Anúncio foi feito durante a diplomação do prefeito e 51 vereadores eleitos para o período 2017 a 2020. Número de secretários será reduzido de 20 para 12 ou 13

Por O Dia

Crivella fez oração e encerrou pedindo que Deus ilumine o caminhoFabio Motta / Estadão Conteúdo

Rio - O prefeito eleito do Rio, Marcelo Crivella (PRB), fez uma oração na Câmara dos Vereadores, na manhã de ontem, ao ser diplomado no cargo. “Eu não teria forças para aceitar esse desafio se não tivesse fé em Deus e se não fosse pela família que Deus me deu”, disse Crivella para os 51 vereadores eleitos, que também foram diplomados. 

Crivella disse ainda que os cariocas têm que se preparar para mais um ano de crise. Segundo o prefeito eleito, a arrecadação vai cair em R$ 1,5 bilhão em 2017, e há muitas dívidas deixadas pela atual gestão. Para enfrentar o problema, Crivella prometeu economizar e cortar o número de secretarias. “Vamos de 30 para 12 ou 13”, afirmou ele.

Depois de rápido discurso, Crivella deu entrevista, mas não quis anunciar outros nomes de futuros secretários, além do seu vice-prefeito, o engenheiro Fernando Mac Dowell, que é especialista em transportes e assumirá a pasta. “Para que a pressa? Tudo tem seu tempo”, afirmou, a 16 dias do início do mandato.

Crivella ainda agradeceu aos vereadores e afirmou que é abençoado, agradecendo, em seguida, a “todos os pastores do Rio”.

Crivella disse que é hora de cuidar das pessoas, seu slogan de campanha. “Ontem, foi a nossa luta. Hoje, a nossa vitória. Amanhã, o grande desafio que espera cada um de nós”, disse Crivella. Ele concluiu seu discordo, pedindo que Deus ilumine o caminho. Crivella toma posse no dia 1º de janeiro.

Últimas de Rio De Janeiro