Morre recém-nascida filha de grávida vítima de tiroteio no Recreio

Mãe do bebê e outros três morreram em confusão provocada por sargento reformado da PM, que teve a prisão temporária decretada

Por O Dia

Rio - Morreu na madrugada deste sábado, dia 17, no Hospital Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, a bebê salva após uma cesárea de emergência, realizada em Patrícia Aparecida Pimenta Rosa, 31 anos, que já estava morta. A mulher foi assassinada com um tiro na nuca após uma briga em um bar na noite de ontem na comunidade do Terreirão, no Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste. A informação foi confirmada pela Secretaria municipal de Saúde (SMS). Principal suspeito dos crimes, o policial reformado da PM Luiz Cláudio Machado Paixão teve a prisão temporária, de 30 dias, decretada pela Justiça na tarde deste sábado. 

Uma das vítimas%3A Patrícia Pimenta RosaReprodução Internet

Na briga em que a gestante foi morta, outras três pessoas foram baleadas e não resistiram. Todas foram executadas, segundo a Divisão de Homicídios, e o autor dos disparos seria o policial reformado da PM. A motivação do crime ainda está sendo investigada. Informações iniciais apontam que Paixão era vizinho da família de Patrícia e brigas anteriores já haviam sido registradas entre eles. 

De acordo com o delegado André Leiras, que investiga o caso, as outras pessoas mortas foram identificadas como Markeli Maria Leite Matheus, de 39 anos; Francisco Pimenta Rosa, 25, irmão da Patrícia; e Lutero Barbosa da Silva, pai da criança.  "Todas foram executadas por tiros à queima-roupa. A grávida foi morta com um tiro na nuca, no qual o cano encostou em sua cabeça. Na outra mulher, o disparo foi feito bem próximo ao seu rosto", disse. 

Segundo Leiras o sargento da PM Paixão foi indiciado por quatro homicídios dolosos qualificados em concurso com aborto na sua forma tentada.

 O corpo do bebê será encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML).  Durante a manhã, o cunhado de Patrícia, Luismar Barbosa, compareceu para liberar o corpo de seus familiares. 

"Meu irmão foi comprar a briga de não sei quem. Mas creio que tinha uma rixa sim. O Lutero morava há 10 anos no Terreirão, é um cara tranquilo, ficha limpa, não tinha envolvimento", disse Luismar Barbosa.

Ainda segundo Luismar, testemunhas disseram que o irmão ainda agonizava, já caído no chão, quando o policial se aproximou e atirou novamente. "Fiquei sabendo que o Lutero ainda se debatia quando o policial fez mais um disparo", contou.  

Tentativa de salvar o bebê mobilizou equipe médica

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, a causa da morte foi ocasionada por  complicações cardiorespiratórias e pela falta de irrigação sanguínea. 

Após o crime, policiais miltiares do Batalhão da Barra da Tijuca foram os primeiros a chegar ao local. Eles chamaram o Corpo de Bombeiros com prioridade na tentativa de salvar o bebê, apesar da gestante já estar morta. O corpo de Patrícia foi levado, então, por uma ambulância para a maternidade Leila Diniz, onde a cesariana foi realizada.

Os médicos chegaram a salvar o bebê e, em estado grave, ele foi transferido ainda na madrugada para uma Unidade de Tratamento Intensivo no Hospital Municipal Lourenço Jorge. No entanto, não resistiu. 

Últimas de Rio De Janeiro