Suspeita de febre amarela é registrada em Casimiro de Abreu

Morador de região rural do município chegou a hospital com sintomas ligados à enfermidade e morreu após parada cardíaca. Causa da morte será investigada

Por O Dia

Rio - Em Casimiro de Abreu, interior do estado, foi registrada, no sábado, a morte de Watila Santos, 38 anos, que estava internado no Hospital Municipal Ângela Maria Simões Menezes desde a manhã de sexta-feira com os mesmos sintomas causados pela febre amarela. Uma amostra de sangue de Watila foi coletada e está em análise. O resultado fica pronto em oito dias. Se for confirmada a presença do vírus, esta será a primeira morte por febre amarela no Estado do Rio de Janeiro.

Estado do Rio vai estender a vacinação para os 92 municípios e quer imunizar 1%2C5 milhão de pessoas por mêsSecretaria Municipal de Saúde RJ / Divulgação

A Prefeitura de Casemiro de Abreu confirmou que o paciente deu entrada na unidade de saúde às 8h da última sexta-feira se queixando de dor de cabeça, taquicardia, falta de ar, febre e dor no corpo, sendo prontamente atendido pelo médico e submetido a exames. 

Watila sofreu duas paradas cardíacas. Ele era morador da localidade rural de Córrego da Luz, região serrana do município.

Segundo a Secretaria de Estado de Saúde (SES), dos 30 casos suspeitos notificados até agora da febre em todo o estado, todos foram descartados.

A subsecretaria de Vigilância em Saúde do Rio informou que orientou os 92 municípios do estado quanto à nova definição para casos suspeitos. Nela, as prefeituras devem intensificar a vigilância por meio da notificação de todo evento suspeito, visando a detecção precoce e resposta coordenada dos serviços de saúde pública aos possíveis casos.

“Para tornar o sistema de vigilância epidemiológica mais sensível, devem ser notificados para fins de investigação os casos de indivíduos com febre com até sete dias de duração, acompanhada de dois ou mais dos seguintes sinais e sintomas: cefaleia, mialgia, artralgia, vômitos, icterícia e manifestações hemorrágicas, residente ou procedente nos últimos 15 dias de áreas de transmissão de febre amarela”, diz a secretaria em nota.

NO RIO

Como não há surto de febre amarela no Rio, a orientação da Secretaria Municipal de Saúde é de que a população aguarde até o final do mês para se vacinar, período estimado pelo governo para o iníco da campanha de vacinação em nível estadual, no qual o objetivo é imunizar toda a população. Os três estados que fazem divisa com o Rio de Janeiro já registraram casos da doença.

Últimas de Rio De Janeiro