Chacina em São Gonçalo deixa mortos e feridos

Ao todo, sete pessoas foram atingidas na manhã desta sexta-feira. Os suspeitos conseguiram fugir

Por O Dia

Rio - Três pessoas morreram e quatro ficaram feridas em uma chacina, na Rua Araguacema, no Morro do Abacatão, em Boa Vista, São Gonçalo, na manhã desta sexta-feira. A informação foi confirmada pela Delegacia de Homicídios de Niterói (DHNSG). Um dos mortos seria menor de idade.

Local onde aconteceu o crime Reprodução / TV Record

De acordo com testemunhas, os criminosos chegaram no local, arrombaram a porta e atiraram contra as vítimas. Os suspeitos conseguiram fugir. Até o momento, a polícia ainda não informou o motivo do crime.

Esta é a segunda chacina que ocorre em São Gonçalo em menos de uma semana. No último domingo, três pessoas morreram e duas foram baleadas no Morro do Coió. Entre as vítimas está o PM Luiz Alberto do Couto Neves, de 40 anos. Além do policial, Everaldo Leckar da Silva, de 46 anos, Jorge da Silva Barcellos, de 35 anos, e Carlos Augusto Leckar Magalhães, de 48 anos, também foram assassinados a tiros.

Já Alexandre Magno, 40 anos, foi socorrido e levado para o Pronto Socorro Central. Ele foi atingido no braço e entre o torax e o abdome. A vítima chegou a ser operada, está lúcida e orientada no CTI. Segundo a unidade, Alexandre pode receber alta daqui há três dias caso continue estável.

O policial e seus amigos estavam em uma festa quando criminosos tentaram roubar a moto de um deles. O sargento e mais quatro homens seguiram o bandido e acabaram sendo atingidos por disparos feitos por homens de máscara. Os criminosos estavam em dois carros dando escolta para o bandido que roubou a moto.

Chacina choca polícia

São Gonçalo também foi palco de outra chacina em fevereiro deste ano. Soraya Gonçalves Resende, 38, o marido, o diretor de eventos da OAB-RJ, Wagner Salgado, 43, e a filha do casal, Geovanna, 9, foram mortos a tiros à queima roupa. 

A motivação do crime, segundo a polícia, seria uma briga judicial envolvendo o inventário do pai de Soraya e de sua irmã, Simone Gonçalves Resende, suspeita de ser a mandante do assassinato. 

Últimas de Rio De Janeiro