'Eu recolhia dinheiro', diz testemunha em audiência de PMs acusados de corrupção

Ela é peça-chave na investigação que apura recebimento de propina do tráfico por parte de 96 policiais militares de São Gonçalo

Por O Dia

Rio - Os 96 policiais militares do 7º BPM (São Gonçalo) acusados de corrupção começaram a ser julgados nesta quarta-feira pelo Conselho Especial da Auditoria da Justiça Militar do Rio de Janeiro, presidido pela juíza-auditora Ana Paula Monte Figueiredo Pena Barros. Pelo menos 90 PMs foram presos após a deflagração Calabar por envolvimento com o tráfico de drogas e recebimento de propina.

ATUALIZAÇÃO: O Tribunal de Justiça do Rio (TJRJ) havia divulgado em seu site que a peça-chave da investigação, que prestou depoimento na quarta-feira, era um policial civil. A Polícia Civil, através de nota, disse que esta informação não condiz com a realidade das investigações. "De acordo com investigadores da Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo (DHNSG), o delator do caso é um homem apontado como um dos “recolhedores” da propina do tráfico de drogas, naquela região." O TJRJ atualizou a informação e retirou o trecho que aponta o policial civil como "peça-chave".

A primeira audiência teve um testemunho considerado peça-chave na investigação. "Eu fiz parte desse esquema criminoso e recolhia dinheiro de favelas comandadas por organizações criminosas", afirmou a testemunha, que falou por mais de duas horas.

Policiais militares lotados no 7º BPM (São Gonçalo) entre 2014 e 2016 são acusados de receber propina%2C além de venda de armasFoto%3A Estefan Radovicz / Agência O Dia

Os policiais são acusados de fazer parte de um esquema de recebimento de propina que arrecadava cerca de R$ 1 milhão por mês. Além do dinheiro arrecadado para não atrapalhar o tráfico, eles prestavam uma série de serviços, entre eles escolta de "bondes" dos criminosos de um local a outro e aluguel de armas da corporação, incluindo fuzis.

A audiência desta quarta-feira se refere a um processo que tem apenas sete réus, já que o processo foi desmembrado. 

Últimas de Rio De Janeiro