Um Pouco de História: Seguindo roteiro de Suruí a Magé

Conheça as curiosidades da região

Por O Dia

Nesta semana nosso trajeto continua e sairemos da Igreja de São Nicolau do Suruí, de onde vamos seguir pela Rodovia Rio-Magé, em direção ao Porto da Piedade.

Na primeira entrada para o Centro da cidade, dobramos a direita e atravessamos um pontilhão, seguindo pela uma única estrada asfaltada. Depois de caminhar aproximadamente 1,5 km estamos de frente para o Poço Bento do Padre Anchieta. No local há uma capela, o poço e uma grande placa em azulejo com a imagem do Padre.

Reza a lenda que as águas da região eram muito salobras e o beato Anchieta, ao tocar com seu cajado o solo da localidade, fez jorrar água cristalina e de boa qualidade. Verdade ou não, o local permanece até hoje como encontro de romarias.
Seguindo nosso caminho, cerca de mais 1,5 km a frente, chegamos ao Porto da Piedade, que possui um grande cais, inaugurado em março de 1890 para servir a Estrada de Ferro Teresópolis, passando por Magé.

Além de transportar mercadorias e passageiros que vinham da capital, este porto foi importante também para o escoamento de lenha para abastecer os fogões. Foi por este cais que passaram os imigrantes que fundaram Teresópolis e Friburg, no século XIX.

George Gardner, viajante que por ali passou, registrou em seu livro “Viagens no Brasil”: “Em Piedade onde apenas se encontram algumas poucas casas esparsas, achava-se em construção um grande hotel do coronel Leite, um senhor brasileiro que estava fazendo a própria custa, uma grande habitação, um entreposto aos gêneros da cidade e do interior. Lá paravam os fazendeiros, os mascates e os tropeiros”.

Voltando pela mesma estrada até o cruzamento da Rodovia Rio-Magé, em direção ao Centro, chegamos à Vila de Magé. Ela foi criada em 1789 e possuía um arraial com 170 casas e 16 sobrados.

Imagem da Igreja Nossa Senhora da Piedade%2C em MagéDivulgação


Desde a Igreja Matriz até o Porto Grande criou-se o pelourinho e designou-se casa para o uso da câmara e a cadeia, assim se demarcava os limites da jurisdição da Vila de Magé.

Em uma praça bem ao centro da cidade vamos encontrar a Igreja de Nossa Senhora da Piedade de Magé. Em 10 de agosto de 1748 foram construídos seus alicerces e concluída a Capela-mor.

Com paredes de pedra e cal, em princípio de 1750, foi então mudada a Pia Batismal, e logo ficou esta parte do templo em uso da Matriz.

Finalizado o edifício em 1751, recebeu as santas imagens da Igreja antiga que ficava próximo ao Porto da Piedade. Por fim, no frontal da Igreja vamos encontrar a Placa com os indicativos das lutas que se travaram nesta praça intitulada de os “Os Horrores de Magé”.

Últimas de Rio De Janeiro